Agenda

EUA prometem US$ 107 milhões para a América Centra
09/03/2012
Diplomatas latino-americanos e caribenhos visitam
14/03/2012

Brasil – EUA

Obama e Dilma vão discutir o fortalecimento do sistema interamericano

Brasília – No dia 9 de abril, a presidente Dilma Rousseff terá encontro na Casa Branca, com Barack Obama. Os dois vão repassar a agenda bilateral, mas o principal foco será o fortalecimento do sistema interamericano e a integração regional.

O principal assessor da Casa Branca para a América Latina, Dan Restrepo, afirmou que os dois presidentes irão conversar sobre o papel da Organização dos Estados Americanos (OEA).

A OEA é muito criticada pela maioria dos países da região e acusada de alinhamento à política externa dos Estados Unidos. Com a criação da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), ela perdeu força e influência.

Barack Obama também pretende conversar com Dilma Rousseff sobre a importância da Cúpula das Américas que acontecerá entre 9 e 15 de abril na Colômbia. Para Washington, o encontro deve servir para fortalecer a integração regional.

Para o Brasil, os Estados Unidos precisam aproveitar o encontro para melhorarem as relações com a América Latina.

O embaixador do Brasil em Washington, Mauro Vieira, explicou que o encontro entre Obama e Dilma servirá para dar início a um novo ciclo de relações bilaterais onde os temas econômicos e comerciais terão maior peso.

Os dois também irão discutir a presença iraniana na América Latina, tema que tem tirado o sono das autoridades norte-americanas, e o retorno de Cuba ao sistema interamericano.

A Secretária de Estado Adjunta para a América Latina, Roberta Jacobson, afirmou que a agenda dos presidentes irá focar principalmente a cooperação nos campos de energia limpa, segurança alimentar, inovação e luta contra o narcotráfico.

Quem também aguarda a presidente com grande expectativa é o Subsecretário Adjunto do Departamento do Tesouro, Leonardo Matínez-Díaz, para quem a visita de Dilma acontece num momento prá lá de oportuno, uma vez que a economia brasileira evoluiu muito em termos de disciplina fiscal e política monetária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *