Relações Exteriores

Missão de Paz: um laboratório de valor inestimável
14/10/2009
Inteligência tem diretor aprovado pelo Senado
14/10/2009

ONU renova mandato da Missão de Paz no Haiti

ONU renova mandato da Missão de Paz no Haiti

Marcelo Rech, de Washington

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas renovou nesta terça-feira, por unanimidade, a missão de paz no Haiti, comandada pelo Brasil.

Assim, o mandato da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), vale agora até outubro de 2010.

Para os integrantes do Conselho de Segurança, a situação do país ainda representa uma ameaça para a paz e a estabilidade da região.

A decisão já era esperada, mas na avaliação da diplomacia brasileira, pesaram os resultados obtidos pela Minustah que conseguiu pacificar o país e permitir que as agências humanitárias pudessem atuar.

Na avaliação da embaixadora do Brasil na ONU, Maria Luíza Viotti, o balanço do trabalho realizado pelo Brasil foi positivo, o que reforça o papel do país no comando das tropas.

Segundo ela, todos os países que contribuem com militares no Haiti destacaram o trabalho realizado pelo Brasil.

Diplomatas e militares brasileiros avaliam que deixar o Haiti neste momento seria prematuro uma vez que o risco de retrocesso ainda é muito grande.

De acordo com a conselheira Gilda Neves, chefe da Divisão das Nações Unidas, do ministério das Relações Exteriores, a ONU sabe que cometeu erros ao encerrar missões de paz em países onde os conflitos voltaram a eclodir com a saída dos capacetes azuis.

Por outro lado, reconheceu que os países que participam de missões de paz têm custos altíssimos para manter tropas no exterior até porque são eles que pagam a maior parte da conta.

Nesta quinta-feira, o Conselho de Segurança da ONU se reúne para a eleição dos membros não-permanentes. O Brasil está na briga e pretende defender um compromisso de longo prazo com o Haiti.

Ainda em outubro, a ONU reorganizará as tropas dos 15 países que atuam no Haiti, considerando o cenário de estabilidade e segurança.

Além disso, o foco agora está na formação da Polícia Nacional Haitiana (PNH) que terá a responsabilidade de garantir a ordem no país após a saída das tropas da Minustah.

Para o Brasil, o Haiti precisa de uma PNH treinada e capacitada com um efetivo de pelo menos 14 mil policiais.

Oito mil já atuam e recebem orientações permanentes da força de paz, inclusive com a realização de patrulhas e operações conjuntas.

Atualmente, a Minustah é integrada por 6.940 militares e 2.211 agentes de polícia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *