Brasil

Crise dos refugiados venezuelanos pressiona o Brasil
08/02/2018
Bolívia testa com êxito primeiro míssil produzido no país
08/02/2018

Oportunidades de investimentos em ZPE são apresentadas à Bélgica

Brasília – Depois de China, Japão e Alemanha, foi a vez da Bélgica conhecer melhor o regime brasileiro de Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs). Neste sentido, a Secretária-Executiva do Conselho Nacional das ZPEs, Thaise Dutra, recebeu, na quarta-feira, 7, o ministro conselheiro da Embaixada da Bélgica, Hendrik Roggen, e a adida aduaneira, Isabelle Bédoyan, para mostrar as oportunidades de investimentos previstas na ZPE do Açu, que ainda está em fase de implementação, no Rio de Janeiro.

Segundo ela, “os belgas já têm investimentos no próprio porto do Açu, então nada melhor que começar as tratativas internacionais com eles, que têm experiência portuária de mais de 200 anos e já desenvolveram diversos distritos industriais ao redor de seus portos. Nosso propósito é trazer empresários da Bélgica para investir no Brasil e também desenvolver parcerias nas áreas de capacitação humana”, explicou.

Além disso, o Conselho Nacional das ZPEs quer atrair empresas estrangeiras que busquem agregar valor aos produtos primários fabricados no Brasil. “Nosso país já é altamente competitivo no agronegócio, pecuária e extrativismo, então é preciso focar em ampliar nossa pauta exportadora, buscando inserir no regime de ZPE a agregação de valor às cadeias primárias. Além de exportar, por exemplo, o grão vegetal, podemos vender o óleo já embalado para o exterior”, disse.

Entre as vantagens de investimento nas áreas de ZPEs, ela destacou a segurança jurídica oferecida às empresas, uma vez que os incentivos previstos aos projetos industriais instalados em ZPE são assegurados pelo prazo de até 20 anos.

O ministro conselheiro da Bélgica considerou a reunião bastante proveitosa e disse que irá apoiar os esforços de empresas belgas em se estabelecerem no complexo industrial portuário do Açu.  “As vantagens oferecidas pelas Zonas de Processamento de Exportação são uma grande oportunidade para o empresário estrangeiro interessado em investir no Brasil”, afirmou Roggen.

Zonas de Processamento de Exportação

As Zonas de Processamento de Exportações são áreas de livre comércio com o exterior destinadas à instalação de empresas com produção voltada à exportação. Para efeito de controle aduaneiro, as ZPEs são consideradas Zonas Primárias.

Como instrumento de política industrial, elas buscam fortalecer a balança de pagamentos, atrair investimentos estrangeiros, fortalecer a competitividade das exportações brasileiras, gerar emprego e difundir novas tecnologias no país.

De acordo com o MDIC, as empresas que se instalam em ZPE têm acesso a tratamento tributário, cambial e administrativo específicos. Para a aquisição de bens e serviços no mercado interno, há suspensão da cobrança do IPI, Cofins e PIS/PASEP. Nas exportações, também são suspensos o Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) e o Imposto de Importação (II).

As importações e exportações das empresas autorizadas a operar no regime das ZPE contam ainda com dispensa de licença ou de autorização de órgãos federais, com exceção das normas de ordem sanitária, proteção do meio ambiente e segurança nacional.

Além desses incentivos, os empreendimentos instalados em ZPE localizadas no Norte, Nordeste e Centro-oeste têm acesso a outros benefícios fiscais previstos no âmbito da Sudam, da Sudene e dos programas e fundos de desenvolvimento da Região Centro-Oeste, entre eles a redução de 75% do Imposto de Renda.

Em contrapartida, as empresas que operam em ZPE devem auferir 80% de sua receita bruta anual com exportações. Sobre as eventuais vendas para o mercado brasileiro incidem integralmente todos os impostos e contribuições exigíveis pela legislação brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *