Opinião

Brasil reúne chefes de Forças Aéreas das Américas
27/07/2006
Indústria de Defesa
28/07/2006

A impotência da ONU e a indiferença dos EUA

Oriente Médio: a impotência da ONU e a indiferença norte-americana

Marcelo Rech

Há mais de duas semanas, teve início a nova guerra do Oriente Médio, com o exército israelense atacando violentamente a Faixa de Gaza e invadindo o Sul do Líbano.

Cerca de 500 civis foram mortos nos conflitos e quase 800 mil estão deslocados.

Além da força desproporcional e do elevado número de vítimas civis, incluindo cinco observadores da Organização das Nações Unidas, a nova crise no Oriente Médio é marcada pela impotência da ONU e pela indiferença dos Estados Unidos, que são incapazes de condenar Israel pelas atrocidades cometidas.

Há poucos dias em Roma, tentou-se uma saída para o conflito, mas os principais protagonistas da crise deram às costas ao evento. Para Israel, esta é uma ótima oportunidade para voltar a tomar o Líbano e arrasar a já perene instabilidade na região.

Para tanto, contam com a complacência do governo Bush que nos bastidores, contribui para que Israel risque o Hezbollah do mapa. A ONU, a exemplo da guerra do Iraque, assiste a tudo como se não existisse.

Durante a cimeira em São Petersburgo, os líderes do G8 propuseram que o Conselho de Segurança da organização considerasse a possibilidade de enviar uma força internacional de manutenção de paz ao Líbano.

Os Estados Unidos adotam um discurso dúbio, em que elogiam a iniciativa, mas sob severas condições. Nenhuma delas impostas a Israel. Também o Reino Unido dá força à retórica.

A Rússia de Vladimir Putin condenou de forma veemente os ataques israelenses e poderia integrar uma possível missão de paz na região. Até o Brasil se ofereceu. É pouco provável que essa missão saia do papel com a forte oposição norte-americana e o papel putrefato da ONU.

Israel, é claro, se opõe completamente a tal decisão. O ministério do exterior chegou a instar a comunidade internacional para que exija o desarmamento do Hezbollah antes mesmo que o Conselho de Segurança assim o decida.

Por outro lado, Israel não dá mostras de que a ofensiva terá fim tão cedo. “Israel continuará golpeando alvos do Hezbollah e, definitivamente, aqueles alvos de onde os foguetes estão sendo lançados. Nós não planejamos parar a operação”, afirmou o porta-voz do governo israelense, Miri Eisin.

Além das vítimas civis, dos dois lados, a parte principal da infra-estrutura civil do Líbano foi completamente destruída em resposta ao seqüestro de dois soldados israelenses e à matança de outros oito recrutas por militantes do “Hezbollah” na última semana.

Os foguetes israelenses foram lançados nos distritos de Beirute onde, de acordo com as forças de defesa de Israel, estão situados os esconderijos do Hezbollah.

A força aérea também atacou territórios libaneses no norte do país. No porto de Abdeh, perto de Trípoli, sete recrutas libaneses foram mortos em um ataque aéreo.

A invasão foi realizada depois que oito pessoas tinham sido mortas na cidade israelense de Haifa, provocadas pelo lançamento de foguetes do Hezbollah. O Primeiro-Ministro Ehud Olmert tinha advertido que o bombardeio de Haifa teria “conseqüências de longo alcance”.

Desde que o conflito intensificou-se, Israel tem voltado suas baterias para alvos civis, estações de gás e a infra-estrutura industrial libanesa. Num único dia, realizou 60 batidas aéreas.

Apesar dos apelos internacionais, forças especiais de Israel apareceram na vizinhança do porto mais meridional do Líbano, En-Nakura, próximo dos escritórios da ONU naquele país.

Para as forças de defesa de Israel, essas são ações que integram a estrutura da operação anti-terrorismo conduzida pelo exército para pôr fim aos lançamentos de mísseis nos territórios do norte pelo Hezbollah.

Ao que parece, o conflito tende a alastrar-se, pois Israel ataca o Hezbollah de olho no Irã e na Síria, o que muito interessa aos Estados Unidos. Portanto, a indiferença norte-americana diante do conflito no Oriente Médio tem sua razão de ser.

Atolado na guerra civil iraquiana, os Estados Unidos adorariam que os regimes de Teerã e Damasco fossem derrubados. Enquanto a opinião pública norte-americana rejeita uma nova frente de batalha, o negócio é oxigenar seu principal aliado na região para que ele faça o serviço.

Ainda que para isso, seja necessário disparar contra a população civil, num flagrante desrespeito aos direitos humanos e às leis internacionais, algo que Israel já faz com desenvoltura há décadas, sem que a pobre ONU, combalida e impotente, seja capaz de arquitetar a paz.

Como se isso não bastasse, Israel nega até mesmo a criação de um corredor humanitário, para que água, alimentos, medicamentos, roupas e cobertores possam chegar aos deslocados. Não garante ainda, a saída de estrangeiros do Líbano, exceto norte-americanos e ingleses.

Marcelo Rech é Editor do InfoRel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *