Brasília, 17 de novembro de 2018 - 05h51

América Latina

14 de abril de 2010
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Marcelo Rech



Em junho, a Organização dos Estados Americanos (OEA), reúne seus integrantes em Lima para discutir a própria reestruturação, mas o tema principal será mesmo o armamentismo regional.



A região deve gastar nos próximos anos, cerca de US$ 35 bilhões com a compra de armas.



Pese os mais de 180 milhões de pobres, 35 milhões de indigentes e a morte de 160 mil crianças a cada ano por falta de atenção primária de saúde.



Os Estados Unidos que concorrem na licitação da Força Aérea Brasileira (FAB), para a venda do caça bombardeiro F-18, é um dos países que mais armamento vende para a região.



Além do F-18, também o F-16, ambos sofisticadíssimos, são comercializados com os latino-americanos.



Holanda, França, Itália, Espanha e Rússia, também possuem contratos milionários com os governos da região.



O Brasil comprou helicópteros de guerra da Rússia que planeja instalar uma fábrica de material bélico no país para aumentar as vendas na vizinhança.



Da França, comprou submarinos convencionais e nuclear, helicópteros e talvez compre 36 caças Rafale.



Para a Venezuela, os russos já venderam US$ 5 bilhões em armamentos.



Bolívia, Chile, Colômbia e Peru, também têm projetos em andamento para a aquisição de equipamentos bélicos.



Apesar da força que aparenta ter – são 800 empregados, US$ 180 milhões de orçamento e escritórios em 34 países das Américas – a OEA está longe de influir nessa questão.



Cabe ressaltar que o artigo 2 da Carta fundacional da organização, obriga todos os países a limitar seus gastos em defesa para aplicá-los em programas de desenvolvimento econômico e social.



Conselho Sul-Americano de Defesa



Por outro lado, o recém criado Conselho Sul-Americano de Defesa, se reúne nos dias 6 e 7, em Quito, para discutir os procedimentos que serão adotados quanto às medidas de Fomento de Confiança e Segurança.



Na semana passada, representantes dos países que integram a Unasul se reuniram na capital equatoriana para desenhar o documento que será aprovado pelos ministros.



O principal objetivo é descaracterizar a existência de uma corrida armamentista na região.



Para tanto, será criado um banco de dados sobre a aquisição de armas convencionais e equipamentos militares.



Exercícios conjuntos dentro da Unasul ou fora dela, serão realizados de acordo com as normas aprovadas pelo Conselho Sul-Americano de Defesa.



O tripé considerado fundamental para evitar tensões na região, prevê a proscrição do uso da força, a criação de uma zona livre de áreas nucleares, e a garantia de soberania e de não intervenção.





A Unasul aguarda ainda uma resposta dos Estados Unidos sobre um eventual diálogo sobre segurança e defesa.



Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...