Relações Exteriores

Liga Árabe exige renuncia de Bashar al Assad
23/07/2012
Liga Árabe irá investigar morte de Yasser Arafat
23/07/2012

Palestinos da Faixa de Gaza já podem entrar no Egi

Palestinos da Faixa de Gaza já podem entrar no Egito

O governo egípcio decidiu não exigir mais o visto dos palestinos que chegam ao país através do aeroporto internacional do Cairo. A decisão começou a valer nesta segunda-feira, 23, embora sem que houvesse uma declaração oficial do governo do Egito.

De acordo com a medida, os palestinos que desejarem sair da Faixa de Gaza em direção ao Egito poderão fazê-lo sem problemas.

O novo governo egípcio quer fortalecer o seu papel de facilitador do diálogo entre as facções palestinas que disputam poder entre si.

Os islamistas do Hamas governam a Faixa de Gaza há quatro anos, razão pela qual a região sofre pesadas sanções políticas e econômicas. Já o Fatah, movimento liderado pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, governa a Cisjordânia.

Enquanto Abbas tem apoio de parte da comunidade internacional, inclusive do Brasil, o Hamas é considerado uma organização terrorista.

Em 2007, Israel e Egito impuseram sanções contra a Faixa de Gaza, região com cerca de 1,5 milhão de habitantes, por conta de uma revolta islamista. Embora suavizado nos últimos anos, o bloqueio não foi eliminado.

Para as autoridades do Hamas, Mohamed Morsi, presidente eleito do Egito, é um político ideologicamente identificado com o movimento, o que deverá facilitar o levantamento do bloqueio em breve.

Um dos principais líderes do Hamas, Ismail Haniya, falou por telefone com Morsi e disse esperar que o Egito ajude os palestinos a obter a liberdade e o fim das sanções contra Gaza.

Mais comedido, Mahmud Abbas também conversou com Mohamed Morsi e expressou seu apoio ao presidente “eleito pela maioria do grande povo do Egito”.

Um dos principais assessores e Abbas e negociador palestino Saib Oreikat, ressaltou, no entanto, que “a paz palestina é assunto dos palestinos. Se não nos ajudamos nós mesmos, ninguém poderá nos ajudar”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *