Diplomacia
05/05/2009
Lugo chega disposto a arrancar acordo sobre Itaipu
07/05/2009

Paraguai insiste em revisar Tratado de Itaipu

Paraguai insiste em revisar Tratado de Itaipu

Na próxima quinta-feira, 7, o presidente do Paraguai, Fernando Lugo, desembarca em Brasília em mais uma tentativa de obter do Brasil, mudanças no Tratado de Itaipu.

O Paraguai quer rever a dívida contraída para a construção da usina, o preço da energia paga pelo Brasil e o direito de poder revender o seu excedente para outros países.

Até o momento, o Brasil descarta qualquer possibilidade de mudar o tratado e oferece linhas de financiamento para a industrialização paraguaia da ordem de US$ 1 bilhão.

Essa proposta só será aceita se não fizer parte do acordo em torno do Tratado de Itaipu, garantem os paraguaios.

O encontro entre Fernando Lugo e Lula estava previsto para o início de abril, mas foi adiado duas vezes por falta de avanços nas negociações.

Fragilizado politicamente, Lugo conta com o apoio e a sensibilidade do governo brasileiro para diminuir as pressões internas e escapar de um processo de impeachment.

De acordo com Ricardo Canese, deputado paraguaio no Parlamento do Mercosul e que integra o grupo negociador, há avanços, mas ele não revelou quais.

Atualmente, o Brasil paga US$ 115 milhões por ano pela energia que o Paraguai não utiliza. O país vizinho quer aumentar esse valor para US$ 500 milhões.

O Brasil estaria disposto a aumentar esse valor para US$ 230 milhões, valor rejeitado pelos paraguaios.

Os dois países também já teriam fechado acordo para a conclusão das obras da usina, gestão paritária da entidade e aumento do controle e da transparência.

Na avaliação do governo paraguaio o Brasil se nega a reconhecer a soberania do país sobre seus recursos energéticos e naturais.

Os dois presidentes se encontraram pela última vez em janeiro durante o Fórum Social Mundial, em Belém.

Na época, os dois presidentes instruíram as respectivas chancelarias para que trabalhassem um acordo satisfatório para ambos. O Paraguai acusa o Itamaraty de ignorar a orientação de Lula.

Desde então, nenhuma reunião foi realizada.

Na Cúpula das Américas, em Trinidad e Tobago, Fernando Lugo voltou a defender a soberania paraguaia sobre seus recursos energéticos. Já o havia feito na reunião da Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba), na Venezuela.

Diplomatas brasileiros estão convencidos que Lugo não pode retornar à Assunção sem resultados positivos, justamente por conta da instabilidade política interna.

Brasil e Paraguai também pretendem avançar em acordos de cooperação para o combate às drogas, o desenvolvimento do Paraguai e a realização de obras viárias na fronteira.

Um acordo com a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) poderá dar início aos estudos para a criação de uma TV estatal no Paraguai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *