Relações Exteriores

Amazônia Azul Tecnologias de Defesa é criada ofici
15/08/2012
Paraguai nega referendo sobre permanência no Merco
16/08/2012

Diplomacia

Paraguai tem suspensão ratificada pela UNASUL

Brasília – O Paraguai continua suspenso temporariamente da União das Nações Sul-Americanas (UNASUL), conforme decisão adotada nesta terça-feira, 14, em Lima, pelo Grupo de Alto Nível do bloco.

De acordo com o embaixador Salomon Lerner, o grupo analisou e discutiu relatórios enviados pelas onze embaixadas dos países da UNASUL em Assunção.

A suspensão do Paraguai se deu no dia 29 de junho, após o impeachment do então presidente Fernando Lugo, confirmado sete dias antes. Os países da UNASUL consideraram muito rápido o processo e questionaram o direito de defesa de Lugo.

Ainda de acordo com Lerner, o Grupo de Alto Nível também avaliou a situação política do Paraguai e as possibilidades de cumprimento do calendário eleitoral para abril de 2013, quando será eleito o novo presidente do país e Fernando Lugo deverá candidatar-se ao Senado.

O Grupo de Alto Nível da UNASUL volta a se reunir no final do mês para mais uma avaliação da situação política do Paraguai e, no dia 22, a Organização dos Estados Americanos (OEA) fará o mesmo em Washington.

Referendo

Nesta terça-feira, 14, o presidente paraguaio Federico Franco, anunciou que pretende promover um referendo sobre a permanência ou não do Paraguai no Mercosul.

O país também está suspenso do bloco por conta do impeachment de Fernando Lugo.

Franco explicou que a população do país poderá, junto com as eleições do ano que vem, decidir se o país deve ou não continuar no bloco.

No entanto, ele reconheceu que a saída do Mercosul não será um processo fácil nem simples.

Outra decisão anunciada pelo presidente paraguaio, de revisar o acordo com o Brasil sobre o uso da energia de Itaipu, pode alimentar ainda mais as polêmicas em torno das relações do Paraguai com os vizinhos.

Franco afirmou na semana passada que o Paraguai poderia deixar de “ceder” energia ao Brasil. Imediatamente, o Itamaraty rebateu a afirmação ao esclarecer que não há cessão de energia, mas compra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *