Relações Exteriores

Bolívia terá lei para derrubar aviões ilícitos
27/07/2011
Comunicado Final do Conselho de Ministros da CPLP
27/07/2011

Peru: Humala anuncia futuros ministros e acalma me

Peru: Humala anuncia futuros ministros e acalma mercados

O presidente eleito do Peru, Ollanta Humala, será empossado nesta quinta-feira, 28, e para tranqüilizar o mercado, fez questão de anunciar os nomes dos futuros ministros da Economia e Finanças, Produção, Relações Exteriores, Defesa, Energia e Minas, Ambiente, e da Mulher.

A decisão pareceu acertada. O mercado está relativamente tranqüilo. Temia-se pela formação de um governo radical de esquerda. Humala já havia anunciado na quarta-feira, 20, o nome do empresário Salomón Lerner como chefe do Conselho de Ministros, uma espécie de premier.

Especialistas chilenos afirmam que o ex-coronel decidiu formar um governo situado entre a direita econômica e a esquerda política.

Diplomacia e defesa

Para o posto de chanceler, o presidente peruano escolheu o sociólogo e jornalista Rafael Roncagliolo, 67, que responde atualmente pela presidência da associação Transparência.

Ele também integrou o chamado Acordo Nacional, um fórum destinado à discussão de políticas públicas para o Peru.

O ministro da Defesa será o general reformado Daniel Mora, 66, que é parlamentar eleito pela coalizão Peru Possível.

No governo de Alejandro Toledo, Mora trabalhou como Secretário-Geral do ministério dos Transportes e Comunicações.

Rafael Roncagliolo é amigo pessoal do chileno José Miguel Insulza, Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) e suas relações com o Chile pesaram na escolha.

O futuro chefe da diplomacia de Humala é considerado um “esquerdista evoluído” apaixonado pela integração latino-americana e que conhece em detalhes o cenário internacional e os países vizinhos.

Já o ministro da Defesa foi uma indicação do ex-presidente Alejandro Toledo que apoiou Humala no segundo turno das eleições,

Ele representou o Peru nas negociações com o Equador sobre o conflito no Cenepa em 1995 e esteve na cerimônia que culminou com a Declaração de Brasília que pôs fim as tensões.

Em seguida foi reformado e no governo de Toledo respondeu pela secretaria-geral dos Transportes e foi presidente do Conselho Nacional de Inteligência.

A indicação de Daniel Mora derruba a primeira promessa feita por Humala. Após a eleição, ele garantiu que o ministério da Defesa seria conduzido por um civil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *