Brasília, 14 de novembro de 2018 - 05h52
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

03 de novembro de 2018
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República eleito, Jair Bolsonaro, sobre temas de política externa desataram uma série de críticas no Congresso Nacional. Chama a atenção os potenciais riscos representados pela transferência da embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém, um distanciamento da China, principal parceiro comercial brasileiro e o corte das relações diplomáticas com Cuba e Venezuela.

Para o presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara dos Deputados, Nilson Pinto (PSDB-PA), classificou essas decisões de extemporâneas, desnecessárias e incômodas. Além disso, ele lamentou o “pouco apreço” do futuro novo governo pelo MERCOSUL.

No entendimento do deputado, “boa parte dos nossos parceiros são países árabes. Ao decidir transferir a sede da nossa embaixada, algo que apenas dois países (Estados Unidos e Guatemala) fizeram, o presidente põe em risco um mercado fundamental para os produtos brasileiros”, explicou.

Nilson Pinto lembrou que no dia 21, a CREDN realizará o Seminário Política Externa, Defesa e Inteligência na projeção internacional do Brasil, com o propósito de levantar subsídios as respeito dessas três áreas.

“Vamos reunir um grupo de especialistas provados para discutir os desafios que se apresentam ao Brasil e vamos elaborar um documento que será entregue ao presidente e à sua equipe, para           que haja uma reflexão acerca do quê e como o Brasil poderá atuar em sua Política Externa, Defesa e Inteligência. Será uma contribuição da CREDN e esperamos que seja considerada pelo presidente Bolsonaro que é membro destacado da Comissão”, afirmou.

No Senado, as reações também não demoraram. A senadora e ex-candidata a vice-presidente Ana Amélia (PP-RS), comentou declarações e atos de Bolsonaro durante a campanha com relação à China. O então candidato afirmou que iria rever as relações comerciais com o gigante asiático, acusando-o de estar "comprando o Brasil", e ainda fez uma visita oficial a Taiwan. A embaixada da China no Brasil considerou a visita uma “afronta a soberania e integridade territorial da China”.

Segundo ela, “uma coisa é os Estados Unidos tomarem medidas restritivas de comércio contra a China, outra coisa muito diferente é o Brasil seguir esta mesma trilha. Os Estados Unidos são uma superpotência e continuarão a ser, além de serem a maior economia do mundo. Já nós temos hoje uma dependência comercial com a China, nosso maior parceiro. Nosso poder de fogo não pode ser comparado com o dos Estado Unidos”, advertiu.

A senadora integra a lista de nomes potenciais para assumirem o comando do ministério das Relações Exteriores. Já Cristovam Buarque (PPS-DF), derrotado nas eleições de outubro, entende que o futuro governo Bolsonaro cometerá um erro se resolver rever estruturalmente as relações econômicas, estratégicas ou diplomáticas do Brasil com a China.

Ele também manifestou uma "enorme preocupação" com sinalizações de que a embaixada brasileira em Israel possa ser transferida de Tel Aviv para Jerusalém. “Tenho enorme carinho por Israel e pela cultura judaica, mas mudar a embaixada para Jerusalém trará consequências graves para nossas relações com praticamente todos os países árabes e islâmicos. Nossos produtores de frango ou de carne halal por exemplo correrão um risco concreto de perder estes grandes mercados. Parece que Bolsonaro quer ideologizar o Itamaraty, afirmando que não vai ideologizar”, comentou.

Ana Amelia também criticou as declarações dadas pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, de que a Argentina "não será uma prioridade" da gestão Bolsonaro. Ela reforçou os profundos laços econômicos que unem os dois maiores países da América do Sul, além das relações estratégicas e institucionais que se dão no âmbito do MERCOSUL.

Por outro lado, considerou "um bom sinal" o recuo de Bolsonaro com relação à saída do Brasil do Acordo de Paris. Lembrou que setores importantes do agronegócio brasileiro manifestam apoio ao compromisso internacional, pois a saída certamente provocaria o aumento das barreiras comerciais à exportação de nossos produtos agropecuários.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...