Brasília, 25 de maio de 2019 - 09h25

Forças Armadas

05 de abril de 2011 - 09:50:55
por: InfoRel
Compartilhar notícia:



A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira, 4, que a "estratégia de Defesa não pode ser considerada um elemento menor na agenda nacional".



Agraciada com as insígnias das ordens do Mérito da Defesa e das Forças Armadas, a presidente participou da cerimônia de promoção de 70 oficiais do Exército, Marinha e Aeronáutica.



Na sua avaliação, os civis devem se envolver mais nos temas relacionados à Defesa e citou como exemplo desse envolvimento, a discussão que é realizada com diversos segmentos da sociedade em torno do Livro Branco de Defesa Nacional, que reunirá as diretrizes da Defesa no país.



Dilma Rousseff ressaltou ainda que as Forças Armadas compartilham hoje dos valores de justiça, democracia, paz e igualdade, e destacou que o momento constata a evolução democrática da sociedade brasileira.



"Um país que conta, como o Brasil, com Forças Armadas caracterizadas por um estrito apego às suas obrigações constitucionais, é um país que corrigiu seus próprios caminhos e alcançou um elevado nível de maturidade institucional", destacou.



Em seu discurso, a presidente disse que conta com o apoio das Forças Armadas na luta para erradicar a pobreza.



"Estamos construindo uma nação mais fraterna e a prioridade do governo é acabar com a miséria. Conto com as Forças Armadas nesta luta, com seu espírito cívico e sua excelente formação profissional", afirmou.



A presidente destacou também o importante papel que o Brasil assumiu na missão de paz no Haiti, sublinhando a vocação do país para a paz e reforçou a necessidade de ampliação dos meios de Defesa das fronteiras na Amazônia e no mar territorial do país, sobretudo após a descoberta do pré-sal.



Segundo ela, "um Brasil plenamente desenvolvido precisará de Forças Armadas equipadas, treinadas, modernas, para o cumprimento de suas missões constitucionais".



"Considero imprescindível diminuir nossas vulnerabilidades na área de Defesa, consolidar uma indústria nacional de defesa dinâmica, modernizar os meios operativos, integrar as três Forças Armadas e adensar a capacidade institucional do ministério da Defesa", concluiu.