Brasília, 21 de novembro de 2018 - 13h06

Corrupção

03 de fevereiro de 2017
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - A Procuradora-Geral do Panamá, Kenia Porcell, reuniu-se nesta quinta-feira, 2, em Lima, com o Procurador da Nação, do Peru, Pablo Sánchez Velarde, para coordenar a cooperação internacional sobre o caso Odebrecht, empresa investigada em mais de dez países por ter pago subornos para a obtenção de contratos de obras milionárias. O Procurador Anticorrupção do Peru, Hamilton Castro, também participou da reunião.



O Panamá tem interesse especial em conhecer como o Peru firmou o Convênio Preliminar com a Odebrecht e que permitiu ao ministério Público peruano realizar várias prisões.



Segundo o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Odebrecht pagou mais de US$ 59 milhões em subornos no Panamá, entre 2010 e 2014, em troca de contratos estimados em cerca de US$ 175 milhões.



Enquanto isso, em Lima, Mario Alvarado, executivo da empresa Graña y Montero, ex-sócia da Odebrecht no Peru, afirmou que o grupo não tinha conhecimento do pagamento de propinas pela empresa brasileira e que se sente enganada pela ex-parceira.



“Estamos conscientes que fomos enganados, sabemos hoje que foi uma má decisão (unir-se à Odebrecht), o que nos fez perder muito, e estamos pagando as consequências desse engano”, afirmou ante a Comissão Parlamentar que investiga o Caso Lava Jato no Peru.



Alvarado detalhou que em dezembro do ano passado, a empresa perdeu o equivalente a US$ 38 milhões em seus ativos. A Graña y Montero participou em seis projetos com a Odebrecht na condição de sócio minoritário, o que justificaria o desconhecimento da “dupla contabilidade que utilizou a empresa brasileira para o pagamento de propinas e subornos”.



“Foi um erro participar com a Odebrecht na qualidade de sócio minoritário porque nunca pudemos exercer qualquer controle. Não participamos em nenhum ato de corrupção”, assegurou.



A Odebrecht já teria admitido o pagamento de US$ 29 millhões em subornos a funcionários peruanos entre 2005 e 2014, anos que compreendem os governos de Alejandro Toledo (2001-2006), Alan García (2006-2011) e Ollanta Humala (2011-2016), segundo dados do Departamento de Justiça do Estados Unidos.


Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...