Brasília, 11 de agosto de 2020 - 01h22
Programa de Proteção Integrada de Fronteiras é destaque de evento sobre fronteiras

Programa de Proteção Integrada de Fronteiras é destaque de evento sobre fronteiras

19 de dezembro de 2019 - 11:07:42
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI/PR) participou do 12º Seminário da Tríplice Fronteira e 2º Fórum Nacional de Segurança nas Fronteiras, evento realizado nos dias 17 e 18 de dezembro em Foz do Iguaçu (PR). Na oportunidade, o GSI apresentou detalhes sobre o Programa de Proteção Integrada de Fronteiras.

Os dois eventos tiveram como objetivo, discutir as ações implementadas em 2019 para fortalecer a presença do Estado nas fronteiras, e os desafios que se impõem para os próximos anos. Os eventos contaram com representantes do Executivo, Judiciário e Ministério Público.

Parte da programação da 12ª edição do Seminário Tríplice Fronteira, o Fórum Nacional de Segurança nas Fronteiras teve como tema “Programa VIGIA e as Operações Integradas nas Fronteiras”. O Programa VIGIA está presente no Acre, Amazonas, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Tocantins e Rondônia. A expectativa é chegar a todos os estados fronteiriços até o início de 2020.

PPIF

O GSI foi representado pelo assistente técnico César Lima, da Secretaria da Assuntos de Defesa e Segurança Nacional, liderada pelo Major-Brigadeiro Ary Mesquita. Lima explanou sobre o Programa de Proteção Integrada de Fronteiras, iniciativa do governo federal destinada a combater os ilícitos transfronteiriços por meio de uma maior cooperação entre os diversos órgãos de Defesa Nacional, Segurança Pública, Administração Aduaneira e Inteligência.

Segundo ele, “somente o trabalho interagências conseguirá reduzir a quantidade de crimes praticados nas áreas de fronteira. Sem integração, não há solução”, afirmou. Como exemplo exitoso de colaboração entre diversos órgãos governamentais, ele citou a inauguração do Fusion Center, em Foz do Iguaçu, onde diversas agências poderão trocar informações de forma mais ágil e confiável.

Outro exemplo de integração foi o planejamento da operação Ágata, capitaneada pelas Forças Armadas. “Isso permitiu que outros órgãos realizassem operações semelhantes no mesmo local na mesma época. O planejamento conjunto otimiza recursos humanos e materiais, assim como evita retrabalho e conflito de competências”, destacou.