Defesa

Comunicado Conjunto Brasil – Vietnã
10/07/2008
Operação PERBRA une Forças Aéreas do Brasil e Peru
10/07/2008

Reativação da Quarta Frota causa indignação

Reativação da Quarta Frota causa indignação

Os senadores Eduardo Suplicy (PT-SP), Cristovam Buarque (PDT-DF), Pedro Simon (PMDB-RS) e João Pedro (PT-AM), estiveram nesta quarta-feira com o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Clifford Sobel, quando rechaçaram a reativação da Quarta Frota da Marinha norte-americana que vai patrulhar as águas latino-americanas.

Além de manifestarem o desagrado do Brasil e a preocupação do Legislativo, os senadores pediram ao diplomata que leve a posição do país aos candidatos presidenciais Barack Obama e John McCain

De acordo com Pedro Simon, “fizemos um pedido para que a Quarta Frota não venha. A notícia de recriação dessa frota teve uma repercussão muito negativa em toda a América Latina e estranhamos que a decisão tenha sido tomada já no final do governo Bush e num momento de tranqüilidade política na região”.

Para os senadores, não há nenhum assunto interno da América Latina que sirva de pretexto para uma iniciativa militar dessa natureza por parte dos Estados Unidos.

“Somos capazes de resolver nossas divergências com tranqüilidade, como já demonstramos recentemente quando do incidente envolvendo Equador e Colômbia”, enfatizou Simon.

Há três meses o governo dos Estados Unidos informou que a Quarta Frota naval voltaria a navegar pelos mares da América Latina a partir deste mês. A frota está baseada em Mayport, Flórida.

O embaixador Clifford Sobel rebateu as críticas e garantiu que a Quarta Frota não contará com navios permanentes e suas atividades serão focadas na ajuda humanitária, com a assistência à vítimas de desastres naturais e o combate ao narcotráfico.

Sobel não convenceu os senadores e o assunto poderá ser discutido em audiência pública no Congresso. O embaixador ainda ouviu que a marinha norte-americana atuou nos eventos que antecederam o golpe militar de 1974, conforme relatou em livro o então embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Lincoln Gordon.

Gordon explicou que vários navios dos Estados Unidos permaneceram próximos à costa brasileira para apoiar os militares golpistas em casa de uma reação das forças fiéis ao governo.

Eduardo Suplicy lembrou ao embaixador que Brasil e Estados Unidos mantém relações muito boas apesar de divergências pontuais, como no caso da guerra do Iraque.

Para Pedro Simon, a decisão dos Estados Unidos causa ainda mais preocupação por ter sido tomada no momento em que o Brasil anuncia a descoberta de gigantescas reservas de petróleo em águas profundas do Atlântico e a 300 Km do litoral brasileiro, que podem produzir até 70 milhões de barris.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *