Brasília, 15 de novembro de 2018 - 13h51

Terremoto

30 de maro de 2010
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Nesta quarta-feira, representantes de 100 países se reúnem em Nova York para discutir a reconstrução do Haiti após o terremoto de 12 de janeiro.

A Conferência Internacional de Doadores não deve apresentar novidades.

A reconstrução do país deve custar entre US$ 3,5 bilhões e US$ 11,5 bilhões.

O encontro pretende definir as prioridades e quem coordenará as ações no Haiti.

De acordo com o governo brasileiro, nos próximos 18 meses, pelo menos US$ 4 bilhões devem ser aplicados em projetos e programas específicos.

Brasil, Canadá, França e Espanha, comandam a Conferência. O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, pretende anunciar um pacote de ajuda para o desenvolvimento econômico e social do Haiti.

Desde o início do ano, o Brasil já destinou ao Haiti cerca de R$ 340 milhões e mais de mil toneladas de alimentos, água e medicamentos. Outros US$ 17 milhões doados por organizações internacionais foram repassados pelo governo brasileiro aos haitianos.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), US$ 260 milhões foram doados ao Haiti em alimentos como arroz, farinha, feijão e óleo, que chegaram aos 3,5 milhões de vítimas do terremoto.

Em dinheiro, o montante chega a US$ 718,9 milhões.

De acordo com o Escritório para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (Ocha) da ONU, apenas 48% das doações que se destinam à reconstrução do Haiti foram obtidas.

O órgão está preocupado com a tendência de estagnação da arrecadação.

Brasil e Cuba

Os dois países firmaram um acordo para reerguer o sistema de saúde do Haiti.

O governo brasileiro vai aportar US$ 80 milhões para a capacitação de recursos humanos, informou o ministro José Gomes Temporão.

Cuba vai contribuir com mão-de-obra especializada.

Também será estruturada uma rede nacional de centros de vigilância epidemiológica.

O apoio cubano à saúde no Haiti teve início em 1998 com o envio de médicos às regiões mais distantes e pobres do país e em seguida, com a formação de profissionais de saúde.

Análise da Notícia

Mais alguns dias e o terremoto que devastou o Haiti completará três meses.

Estima-se que 220 mil pessoas tenham morrido, mas esse número está longe da realidade. Podem ter sido mais de 500 mil.

Também não é possível saber ao certo quanto será necessário para que o país seja reconstruído. Sabe-se que esse processo vai durar ao menos 50 anos.

Isso se a comunidade internacional de fato mantiver o interesse no Haiti.

É o que veremos nesta quarta-feira na Conferência de Doadores que se realiza em Nova York.

Além do montante necessário, os países têm pela frente o desafio de fazer o dinheiro chegar às ações.

Embora neguem, as autoridades civis e militares que atuam na missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti, sabem que a corrupção é a principal ameaça pós-tragédia.

Mesmo que decidam entregar aos haitianos a coordenação e a aplicação dos recursos arrecadados, precisam assumir a responsabilidade com a execução das obras, projetos e programas.

Do contrário, um monte de burocratas vai enriquecer à custa da solidariedade de terceiros

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...