Brasília, 20 de outubro de 2019 - 01h51
Recursos para o sistema de monitoramento de fronteiras podem ser ampliados

Recursos para o sistema de monitoramento de fronteiras podem ser ampliados

04 de outubro de 2019 - 10:42:46
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados estuda apresentar uma emenda na Comissão Mista de Orçamento para ampliar os recursos destinados à operação plena do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (SISFRON). Desde o início de sua implantação, o SISFRON recebeu R$ 330 milhões, o que viabilizou também a compra de 26 mil aparelhos para comunicação por rádio.

Trata-se de um sistema de rádio digital troncalizado operado pelo Exército em situações críticas, para ligar o País inteiro com a finalidade de viabilizar comunicação segura e eficiente entre forças de segurança e até entre autoridades públicas que precisem de sigilo e segurança especial. As polícias militares e órgãos do Ministério da Justiça se integrarão ao sistema para o trabalho de segurança pública.

A discussão a respeito do SISFRON foi realizada na quarta-feira, 2, em audiência pública sobre as comunicações estratégicas do Exército. O SISFRON, em sua estrutura regional, foi usado na Rio+20, na Copa do Mundo e nas Olimpíadas. Hoje, é usado pela segurança dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), pelas PMs do Rio Grande do Sul e do Piauí e pela Força Nacional de Segurança Pública.

O orçamento total do SISFRON é de R$ 12 bilhões. A emenda ao orçamento será no valor de R$ 75 milhões e os recursos serão destinados à integração e atualização do sistema para viabilizar a sua expansão. A configuração ainda é de 2010, quando o sistema começou a operar. O aumento da verba é fundamental para que o programa contemple toda a fronteira do país, de norte a sul.

De acordo com o Comandante de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército, general Carlos Alberto Dahmer, os ganhos trazidos pela implementação do SISFRON no combate ao narcotráfico e em ações de segurança pública compensariam rapidamente o investimento aplicado.

“Um estudo feito pela Secretaria de Estudos Estratégicos em 2015 verificou que o custo da violência do Brasil, em termos de hospitalização, gastos de segurança, encarceramento, enfim, é de R$ 285 bilhões por ano. Isso em 2015, sem correção. O planejamento do SISFRON tem previsão de R$ 12 bilhões de gastos. Se economizar 3,5% no custo, o SISFRON já terá sido pago. O investimento para a segurança é um investimento para o futuro”, explicou.