Defesa

Parlamentares vão discutir reconhecimento do Estad
10/08/2011
Celso Amorim terá de explicar opinião sobre tropas
11/08/2011

Programa FX

Senado volta a discutir compra de caças para a Força Aérea

A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado retomou nesta quinta-feira, 11, a discussão em torno da licitação para a aquisição de aviões de caça para a Força Aérea Brasileira (FAB).

 

Até o início de setembro, representantes das três empresas finalistas do Programa FX2, serão ouvidos pelos parlamentares. Na próxima quinta-feira, será a vez dos norte-americanos da Boeing que oferecem o F-18 Super Hornet.

 

Os franceses da Dassault, fabricante do Rafale, serão os últimos a apresentarem sua proposta.

 

Na primeira audiência pública requerida pelo senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), presidente da CRE, os suecos da Saab, fabricante do caça Gripen Next Generation (NG), asseguraram a transferência completa da tecnologia da aeronave.

 

De acordo com o diretor-geral da Saab no Brasil, Bengt Jáner, a empresa quer uma parceria de igual para igual com a Embraer.

 

Ele afirmou que a empresa brasileira terá total acesso à propriedade intelectual dos projetos da aeronave e participação nas exportações, principalmente para a América do Sul.

 

A Saab oferece também 100% do financiamento de 15 anos para a aquisição de um total de 36 aeronaves. Os juros estão estimados em 4,5% ao ano. O primeiro pagamento seria liquidado apenas com a entrega da última aeronave.

 

Dan Jangblad, diretor-estratégico da empresa, afirmou que Saab e Embraer poderão comercializar em conjunto os aviões produzidos.

 

Segundo ele, “se o Brasil selecionar o Gripen vamos ter um filho juntos”.

 

Apoio

 

A presidente Dilma Rousseff assumiu em janeiro e decidiu adiar a conclusão do processo que poderá ser retomado em 2012.

 

Ela também envolveu o ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior na discussão e quer ver as vantagens comerciais para o Brasil neste negócio.

 

Como se trata de um empreendimento internacional caberá à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal, aprovar ou não o contrato.

 

Daí que o debate no Congresso ganha ainda mais importância.

 

Principalmente depois que o Senado decidiu reinstalar a Subcomissão Permanente para a Modernização e Reequipamento das Forças Armadas.

 

Para o senador Delcídio Amaral (PT-MS), a proposta sueca é a melhor do ponto de vista da transferência tecnológica. Ana Amélia (PP-RS) lembrou que seria a primeira vez que a Suécia cederia conhecimento de tecnologia de defesa para outro país.

 

Análise da Notícia

 

Marcelo Rech

 

As Forças Armadas há décadas vivem um processo de sucateamento. Algo inconcebível considerando a projeção internacional de um país continental como o Brasil.

 

O Programa FX foi iniciado no governo Fernando Henrique Cardoso que preferiu deixar a decisão para seu sucessor.

 

Em abril de 2003, Luiz Inácio Lula da Silva, anunciou numa feira de produtos de defesa, no Rio de Janeiro, o adiamento do programa.

 

Na época, afirmou que precisava dos recursos para o Fome Zero, programa responsável por sua eleição.

 

Conversa fiada.

 

Os recursos para a aquisição dos caças não sai do Orçamento. Pelo menos até que os aviões sejam entregues.

 

A Saab, por exemplo, garante: o Brasil começa a pagar apenas depois de receber o último de um total de 36 aviões.

 

E um avião como este não é produzido de um dia para outro.

 

Concluir esse processo é mais que uma necessidade.

 

O ministro da Defesa, Celso Amorim, tem pela frente o desafio de retomar o assunto depois que a presidente o retirou das mãos de Nelson Jobim.

 

Mais que isso: tem a responsabilidade de transformar a retórica em decisão concreta. Muita gente já duvida que o negócio sai.

 

O Congresso, por sua vez, percebeu a força que tem e quer influenciar numa decisão que não será técnica, mas política.

 

Importante destacar ainda que o problema não é a falta de dinheiro. Recursos o país tem e não é pouco.

 

O problema está na sua aplicação, nos desvios, na má-gestão.

 

Forças Armadas equipadas num país com tanto potencial econômico não é luxo e deveria ser prioridade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *