Brasília, 27 de março de 2019 - 00h30

Integração

23 de junho de 2016 - 10:24:49
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - Em reunião com empresários ligados à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), o ministro das Relações Exteriores, José Serra, propôs flexibilizar as regras para a Tarifa Externa Comum do MERCOSUL. Segundo ele, “estamos excessivamente amarrados à cláusula da união aduaneira do MERCOSUL. Isso também serviu como pretexto para que o Brasil ficasse para trás porque tinha que levar o MERCOSUL em toda negociação”.



Para o ministro, a flexibilização se daria após uma profunda análise da situação do bloco para permitir que o Brasil possa iniciar negociações unilaterais, atraindo seus parceiros sul-americanos em uma segunda etapa. José Serra é um crítico das regras atuais que obrigam a que toda negociação comercial seja realizada em conjunto, o que dificulta a atração de novos sócios de fora do MERCOSUL.



Política Externa



O ministro afirmou ainda aos empresários da FIESP que a política externa orientada à aliança com os países bolivarianos causou muitos danos para o Brasil. Na sua avaliação, o governo do PT incrementou uma política exterior ideológica apenas para mostrar que “somos de esquerda”, o que se traduziu em um “multilateralismo fanático”.



“O denominador comum que temos com esses países bolivarianos é a desindustrialização. Um populismo que nos levou a jogar dinheiro pela janela. Essa política foi a vanguarda do atraso”, afirmou. Aos membros da FIESP, Serra voltou a defender a Argentina como parceiro prioritário na região.