Defesa e Relações Exteriores: prioridades e import
11/04/2011
Economia de mercado não é o negócio da China
11/04/2011

Suécia vai inaugurar centro de P&D no Brasil em ma

Suécia vai inaugurar centro de P&D no Brasil em maio

O primeiro centro de pesquisa e desenvolvimento (P&D) no Brasil da empresa sueca Saab será inaugurado em maio, em São Bernardo do Campo (SP).

 

O projeto esteve na pauta de discussões do 2º Laboratório de Aprendizagem em Inovação Brasil-Suécia realizado na última sexta-feira, 8, no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e pela Agência Sueca de Inovação (Vinnova).

 

“Já temos 15 empresas e universidades participando do projeto. Nossa meta é inaugurar a unidade com pelo menos 20 integrantes”, informou o diretor técnico da Saab, Pontus De Laval.

 

A segunda edição do Laboratório de Aprendizagem em Inovação reuniu cerca de 70 empresários, pesquisadores e representantes dos governos do Brasil e da Suécia para discutir oportunidades de cooperação industrial.

 

Segundo Laval, a iniciativa da Saab tem como objetivo proporcionar tanto experiências de conhecimento (pesquisa) quanto corporativas (negócios).

 

O centro de P&D para o Brasil foi desenvolvido a partir de um modelo utilizado na Suécia, baseado na cooperação entre indústria, academia e governo.

 

“A ideia é instalar a unidade, identificar as necessidades da sociedade brasileira e desenvolver as soluções a partir desde diagnóstico”, completou.

 

Ele informou ainda que as áreas de pesquisa provavelmente serão relacionadas a setores como defesa, segurança, transporte, logística, energia e meio ambiente.

 

A previsão de investimento para financiar os projetos é de US$ 50 milhões.

 

Motores a etanol

 

Outro exemplo de cooperação Brasil-Suécia é a parceria firmada entre a empresa brasileira Vale Soluções em Energia (VSE) e a sueca Scania, para desenvolvimento, produção e comercialização de motores a etanol e suas aplicações.

 

O objetivo é viabilizar a utilização de motores pesados a etanol comercial, sem aditivos, com rendimento comparável aos motores diesel e com baixíssimas emissões de CO2 orgânico.

 

O diretor da Scania Latin America Per-Arne Ericksson disse que o Brasil é o melhor mercado para a empresa.

 

“Já estamos vendendo nossos primeiros ônibus movidos a etanol para São Paulo e planejando uma nova geração de motores movidos a etanol e a gás”, comenta.

 

A Scania também está entre as empresas com centros de P&D no Brasil.

 

Além da Saab, da Scania e da VSE, participaram do encontro a Embraer, Akaer, Eletrobras, Baumer, IMS Solutions, empresas incubadas no Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec), entre outras.

 

O evento discutiu ainda iniciativas bilaterais de incubação de empresas, experiências em pesquisas dos dois países e oportunidades de novas tecnologias em áreas como complexo industrial da saúde e grandes eventos – entre eles, Copa do Mundo (2014) e Olimpíadas (2016).

 

Análise da Notícia

 

Marcelo Rech

 

Por trás do interesse sueco está um dos principais programas de Defesa da América Latina: a renovação dos caças da Força Aérea Brasileira (FAB).

 

A Saab é a fabricante do caça Gripen NG que disputa a licitação com o norte-americano F-18 e o francês Rafale, o preferido do ministro da Defesa, Nelson Jobim.

 

Investir em Pesquisa & Desenvolvimento no Brasil é uma das formas de tornar a sua proposta mais palatável.

 

Ainda que uma decisão a respeito esteja longe de ser anunciada.

 

Em 2011 com certeza não sai. No ano que vem, talvez. Tudo depende das conjunturas política e econômica.

 

A presidente Dilma Rousseff retirou das mãos do ministro da Defesa o poder de decisão a respeito.

 

Nem mesmo os militares influem no processo.

 

Quer avaliar melhor as propostas e discutir vantagens adicionais.

 

Neste sentido, os suecos dão um passo importante e concreto.

 

Mas, a presidente ainda aposta numa negociação “histórica” com os Estados Unidos de Barack Obama.

 

Do ponto de vista pragmático, uma aliança estratégica dessa natureza seria muito mais relevante se firmada com um país que é uma potência militar e econômica.

 

E a Suécia está longe de ser uma prioridade para a política exterior brasileira.

 

Marcelo Rech é o editor do InfoRel. E-mail: inforel@inforel.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *