Defesa

Programa Nuclear
10/03/2006
Política
10/03/2006

Indústria de Defesa

Tecnologia militar para uso civil é desenvolvida por empresas privadas

Nesta terça-feira, 14, às 15h30, a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, realiza audiência pública para debater o Financiamento da Indústria de Defesa.

Deverão comparecer os presidentes do BNDES, Guido Mantega; da Fiesp, Paulo Skaf; da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa [ABIMDE], Coronel Roberto Guimarães de Carvalho; e o Chefe do Departamento de Logística, Mobilização, Ciência e Tecnologia do ministério da Defesa, Brigadeiro José Roberto Scheer.

Segundo o presidente da CREDN, deputado Aroldo Cedraz [PFL-BA], o evento pretende dar continuidade à proposta do Seminário de Mobilização e Produtos de Defesa, realizado pela Comissão em 26 de outubro de 2005.

Durante o seminário foi proposta a realização de Audiência Pública com o objetivo de divulgar a importância da Mobilização Nacional e do fortalecimento da Base Industrial de Defesa [BID] para o país, tendo como principal agente financiador o BNDES.

“O fortalecimento da BID resultará na oferta de produtos de elevado valor agregado que, ao serem exportados, gerarão maiores benefícios para a balança comercial e oportunidades para empregar mão-de-obra qualificada. Com isso, é previsível a elevação dos níveis de bem-estar social em função das vantagens auferidas pela sociedade com os avanços tecnológicos agregados aos produtos de emprego civil derivados de tais pesquisas”, afirmou Cedraz.

Além disso, a ABIMDE está preocupada com os constantes atrasos na execução dos cronogramas de modernização e reaparelhamento das Forças Armadas. De acordo com o Coronel Roberto Guimarães de Carvalho, o Grupo de Trabalho Interministerial para o reaparelhamento das Forças Armadas foi criado em 9 de dezembro de 2005, sob a coordenação da Casa Civil da Presidência.

O objetivo do Grupo é analisar as prioridades das forças e propor cronogramas e fluxos de recursos necessários aos Programas de Reaparelhamento da Marinha, do Exército e da Aeronáutica. No dia 16, o GT se reúne para discutir as capacidades das indústrias de material de emprego militar.

O que pouca gente sabe é que essa indústria não atende apenas as Forças Armadas. Muitas das tecnologias militares são utilizadas no desenvolvimento de produtos utilizados pela sociedade sem que ela saiba.

É o caso do Bilhete Único na cidade de São Paulo ou dos serviços de meteorologia que nasceram para melhorar a capacidade de defesa do espaço aéreo da Amazônia.

A Atech Tecnologias Críticas, uma empresa genuinamente nacional, deu início às suas atividades, a partir do desenvolvimento do Sistema de Vigilância da Amazônia [Sivam].

Acabou desenvolvendo também um sistema de monitoramento por sensores, com diversas finalidades civis, além do sistema Infopol, extremamente útil para o trabalho da polícia.

A Atech mantém um portfólio com uma série de produtos militares que são aproveitados pelo setor civil. Essas tecnologias são chamadas duais. O Infopol, é um sistema de segurança pública composto por duas unidades.

Uma é responsável pela coleta de dados e a outra analisa as informações exibidas em gráficos e mapas gerados pelo programa.
Desta forma, a polícia pode traçar o perfil da região analisada, com dados sobre a concentração populacional, a incidência e os horários de determinadas infrações, atualizados automaticamente, o que permite fazer prognósticos e planejar ações de combate à violência.

A européia EADS, que mantém contratos com a Força Aérea Brasileira, também desenvolveu o Tetrapol, outro benefício da tecnologia militar aproveitado pela polícia.

O sistema é utilizado em mais de 30 países e está sendo implantado pela Polícia Federal. Trata-se de um padrão de radiocomunicação 100% digital, para localizar o usuário e socorrê-lo por meio de uma rede de comunicação.

Este sistema deverá ser nacionalizado pela empresa Indústria de Material Bélico do Brasil [Imbel], através de uma parceria com a EADS, o que envolverá a transferência de tecnologia.

O Tetrapol também é utilizado na segurança de eventos como reuniões de cúpula do G8, Copa do Mundo de Futebol e segurança de grandes empresas privadas.

Uma das soluções duais mais recentes é um O sistema de monitoramento que envolve tecnologias selecionadas como prioritárias pelo ministério da Defesa [fusão de dados, sistemas de informação, sensores e integração de sistemas], é uma das soluções duais mais recentes.

A tecnologia desenvolvida pela Atech também é útil no monitoramento de dutos, transmissão de energia, agricultura de precisão e em situações emergenciais, como incêndios e derramamento de óleo.

Esse sistema está evoluindo para a navegação automática de precisão com a aeronave não tripulada, ainda em desenvolvimento para fins militares e civis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *