Relações Exteriores

Armas Nucleares
30/11/2015
Comércio Exterior
30/11/2015

Eleições

Unasul condena assassinato de dirigente venezuelano em ato eleitoral

Brasília – A missão eleitoral da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) para a Venezuela, lamentou nesta quinta-feira, 27, a morte do dirigente opositor Luis Manuel Díaz, ocorrida no estado de Guárico, e condenou “todo tipo de violência” por conta das eleições legislativas que se realizarão no próximo dia 6 naquele país.

Díaz era Secretario-Geral da Ação Democrática e foi baleado quando estava ao lado da esposa de Leopoldo López, Lilian Tintori. Ela acredita que era o alvo do ataque e responsabilizou o presidente Nicolás Maduro pelo ato.

O governo brasileiro também divulgou nota em que repudia a morte do líder de oposição e cobra providências do governo venezuelano. A nota do ministério de Relações Exteriores marca o primeiro gesto concreto de oposição ao governo chavista em 16 anos.

A missão da Unasul está preocupada com a polarização e o aumento das tensões na Venezuela que podem levar a outros atos violentos graves. A Mesa de Unidade Democrática (MUD) que reúne as forças políticas de oposição, atribuiu o atentado a “bandas armadas” vinculadas ao Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), do presidente Maduro.

Em seu comunicado, a Unasul também cobrou das autoridades uma investigação exaustiva e rápida do ocorrido. Nas últimas semanas, a oposição tem denunciado vários incidentes que envolvem seus dirigentes, incluindo o governador de Miranda, Henrique Capriles. Por outro lado, o presidente da Assembleia Nacional e aliado chavista, Diosdado Cabello, classificou os atos como “montagens” da oposição.

De acordo com as últimas pesquisas, os partidos que integram a MUD lideram as intenções de voto com uma diferença média de 14 a 35 pontos.

Eis a íntegra da nota do governo brasileiro de sexta-feira, 27:

Assassinato de Luís Manuel Díaz

O Governo brasileiro tomou conhecimento com consternação do assassinato de Luis Manuel Díaz, dirigente do partido Ação Democrática (AD), ocorrido no contexto de comício eleitoral no Estado de Guárico, Venezuela.

O Governo brasileiro se une ao comunicado emitido pela Missão Eleitoral da UNASUL para as Eleições para a Assembleia Nacional, que rechaça firmemente o recurso a qualquer tipo de violência que possa afetar o bom desenvolvimento do processo eleitoral e insta as autoridades venezuelanas a investigar os fatos e punir os responsáveis.

Ao condenar com firmeza esse lamentável incidente, o Governo brasileiro recorda que é da responsabilidade das autoridades venezuelanas zelar para que o processo eleitoral que culminará com as eleições no dia 6 de dezembro transcorra de forma limpa e pacífica, de modo a permitir que o povo venezuelano exerça com tranquilidade seu dever cívico e tenha plenamente respeitada sua vontade soberana.

O Governo brasileiro confia em que o Governo venezuelano atuará para coibir quaisquer atos de violência ou intimidação que possam colocar em dúvida a credibilidade do processo eleitoral em curso e a legitimidade dos resultados da votação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *