Relações Exteriores

Cooperação Estratégica
16/09/2010
UE discute cooperação com a América Latina
16/09/2010

UNASUL na agenda Equador – Colômbia

UNASUL na agenda Equador – Colômbia

Nesta sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patiño, se reúne em Bogotá com sua homóloga, a chanceler María Ángela Holguín, em mais uma tentativa de normalizar as relações bilaterais.

 

No entanto, o equatoriano leva na agenda uma proposta para que a Colômbia se empenhe com a ratificação do Tratado Constitutivo da União das Nações Sul-Americanas (UNASUL).

 

O assunto é prioritário para o Equador que em breve entrega a presidência pro tempore para a Guiana.

 

Assinado em Brasília no dia 23 de maio de 2008, o Tratado que cria a UNASUL foi ratificado por sete países: Argentina, Bolívia, Chile, Equador, Guiana, Peru e Venezuela.

 

Para que entre em vigor, precisa ser ratificado ao menos por nove dos doze países que integram o bloco.

 

Venezuela

 

Os chanceleres de Colômbia, María Ángela Holguín, e da Venezuela, Nicolás Maduro, devem se reunir apenas após as eleições legislativas marcadas para 26 de setembro na Venezuela.

 

Nesta quinta-feira, Holguín participou de uma reunião para discutir a situação econômica nas zonas limítrofes com a Venezuela.

 

O encontro entre os ministros de Relações Exteriores será realizado em Paraguachón, La Guajira, provavelmente na primeira semana de outubro.

 

Refugiados

 

Também nesta quinta-feira, foi realizada a primeira reunião da Comissão Equador – Colômbia para melhorar a atenção aos refugiados colombianos deslocados por conta da violência.

 

Há muito tempo o Equador reclama maior atenção por parte da Colômbia com os seus nacionais que fogem do conflito armado.

 

De acordo com o governo do Equador, o país abriga 54 mil refugiados, dos quais 53 mil colombianos, ou seja, 98%.

 

O Equador afirma ter gasto neste ano, US$ 40 milhões com os refugiados colombianos.

 

A comissão volta a se reunir em outubro e está prevista a participação de representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *