Defesa

Comunicado Conjunto dos Presidentes dos Estados Pa
08/12/2012
Brasil vai reforçar presença nas fronteiras
08/12/2012

Defesa Regional

UNASUL terá Colégio de Defesa e Plano de Ação fortalece confiança

Brasília – Os países que integram a União das Nações Sul-Americanas (UNASUL) decidiram por meio do Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS) criar o Colégio de Defesa para apoiar os esforços em torno de uma identidade regional de Defesa. Além disso, o CDS aprovou um Plano de Ação para 2013 que fortalece a confiança e facilita o diálogo regional.

Segundo o ministro da Defesa do Brasil, Celso Amorim, todas as propostas apresentadas pela delegação brasileira foram aprovadas, inclusive aquela que propõe a criação de um grupo de especialistas que irá preparar o projeto de fabricação de um sistema de veículos aéreos não tripulados.

Os países da UNASUL pretendem desenvolver um VANT com selo regional para uso das respectivas Forças Armadas e com potencial de comercialização extra-regional.

Além disso, será criado um fórum para estabelecer mecanismos e normas especiais para compras e desenvolvimento de produtos e sistemas militares na região. Em 2013, será realizado um seminário para estabelecer um regime preferencial para aquisição de material militar entre os países da UNASUL.

O Brasil propôs ainda a criação de um sistema sul-americano de gestão e monitoramento das reservas indígenas e unidades de proteção ambiental. Para tanto, será utilizada toda a expertise do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), órgão vinculado ao ministério da Defesa.

Colégio Sul-Americano de Defesa

Há muitos anos, militares dos países sul-americanos reclamam da dependência regional em relação ao Colégio Interamericano de Defesa, vinculado à Organização dos Estados Americanos (OEA) e com sede em Washington.

De acordo com Celso Amorim, a criação do Colégio Sul-Americano de Defesa ganhou força com o êxito do Curso Avançado de Defesa Sul-Americano, organizado este ano na Escola Superior de Guerra (ESG), no Rio de Janeiro (RJ), com a participação de 28 alunos, civis e militares, de onze dos 12 países integrantes do CDS – o Paraguai suspenso da UNASUL ficou de fora.

A segunda edição deste curso será novamente no Rio de Janeiro, entre setembro e novembro de 2013. “Acho que chegou o momento de pensarmos seriamente nisso. Se queremos formar uma identidade regional, temos que ter um Colégio Sul-Americano de Defesa”, afirmou Amorim.

Na sua avaliação, “com base no que formos capazes de ouvir e entender, e utilizando o que existir de comum, aí, sim, chegaríamos a uma estratégia sul-americana formadora da nossa identidade”.

Plano de Ação 2013

Eixo 1: Políticas de Defesa

– Criar um Grupo de Trabalho para gestão e monitoramento de áreas especiais utilizando os recursos do centro Gestor de Proteção da Amazônia (CENSIPAM) em proveito dos países membros da Unasul.
– Manter o Grupo de Trabalho para estabelecer uma política e mecanismos regionais para enfrentar as ameaças cibernéticas e informáticas no âmbito da defesa.

Eixo 2: Cooperação Militar, Ações Humanitárias e Operações de Paz

– Realizar o Terceiro Exercício Combinado regional na carta, sobre Operações de manutenção da paz e de Ajuda Humanitária denominado “UNASUL III”, incluindo nestes exercícios, entre outros elementos, a inclusão da mulher e proteção de civis.
– Criar um Grupo de Trabalho para reunir em um mecanismo de resposta aos desastres naturais: o – Protocolo de Cooperação apresentado pelo Peru, por meio da atividade 2.d e o inventário de Capacidade de Defesa dos Estados para resposta aos desastres, apresentado pelo Brasil, através da atividade 2.c do Plano de Ação 2012.
– Avaliar a possibilidade de utilizar os mecanismos já existentes.

Eixo 3: Indústria e Tecnologia da defesa

– Realizar um Seminário Sul-americano de Tecnologia Industrial Básica – Segurança e Defesa para incentivar a cooperação e o intercâmbio no âmbito da Unasul, de mecanismos que incentivem e atribuam às indústrias regionais uma maior prioridade e com normas especiais para as compras, as contratações e o desenvolvimento produtos e sistemas de defesa, assim como desenvolver um sistema integrado de informações sobre indústria e tecnologia da defesa.
– Criar um grupo de Trabalho constituído por especialistas com o propósito de apresentar o desenho, desenvolvimento e a produção regional de um sistema de aeronaves não tripuladas, considerando os requisitos operacionais apresentados no relatório de viabilidade concluído no ano de 2012.

Eixo 4: Formação e Capacitação

– Realizar o segundo Curso Sul-Americano de Formação de Civis em Defesa.
– Realizar o II Curso Avançado de Defesa Sul-Americano (II CAD-SUL).
– Elaborar uma proposta para criação da Escola Sul-Americana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *