Brasília, 14 de novembro de 2018 - 05h52

Comércio Exterior

14 de outubro de 2014
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília – Em 2012, Brasil e Uruguai criaram um Grupo de Alto Nível para consolidar um plano de ação para o desenvolvimento sustentável e a integração produtiva, ciência, tecnologia e inovação; comunicação e informação; integração das infraestruturas de transportes; livre circulação de bens e serviço; e livre trânsito de pessoas. Essa aliança foi classificada pelos dois governos como “paradigmática”.



Os acordos permitiram reduzir significativamente as travas comerciais e desde então não são vistos caminhões com exportações, detidos na fronteira. Para tanto, vários acordos firmados no âmbito da Associação Latino-Americana de Integração (ALADI), foram retomados.



Apesar de o Brasil ser visto como um país protetor de sua indústria, os uruguaios estão satisfeitos com os resultados obtidos até o momento. Os setores naval, de automóveis e peças, estão entre os que mais avançaram.



A livre circulação também foi consolidada e hoje, um uruguaio pode vir para o Brasil e viver no país sem problemas. Antes, era preciso esperar ao menos dois anos até isso ser possível. O mesmo vale, na verdade, para todos os cidadãos dos países do Mercosul.



Para o Uruguai, a linha de alta tensão que permitirá ao país comprar energia do Brasil e que está pronta, também fortalecerá ainda mais as relações entre os dois países.



Em relação aos transportes, a vias ferroviárias que ligam o Brasil ao Uruguai, na cidade de Rivera, foram recuperadas.



Por outro lado, a União dos Exportadores do Uruguai defende que o país firme o máximo possível de acordos de livre comércio, colocando o Mercosul em segundo plano por conta de suas amarras.



Aliás, em janeiro de 2015, o Brasil reassume a presidência pro tempore do Mercosul. No Uruguai, a expectativa fica por conta do rumo que o Brasil dará ao bloco uma vez que os candidatos finalistas têm concepções completamente distintas em relação ao bloco regional.



Análise da Notícia



Marcelo Rech



No dia 26, o Brasil definirá o (a) eleito (a) para a Presidência da República pelos próximos quatro anos. Neste mesmo dia, os uruguaios irão às urnas para votar no primeiro turno das eleições presidenciais.



A Frente Ampla do presidente José Pepe Mújica tem como candidato o ex-presidente Tabaré Vázquez e torce pela eleição da petista Dilma Rousseff, enquanto que os seus adversários preferem Aécio Neves, principalmente por suas críticas à estagnação do Mercosul.



De acordo com analistas políticos locais, tanto Dilma como Aécio são bons para o Uruguai, pois a mesma Frente Ampla cobra mudanças radicais no Mercosul, principalmente após o esgarçamento das relações com a vizinha Argentina.



Os uruguaios querem firmar acordos fora do Mercosul, algo que Aécio Neves também defende, e que o PT de Dilma não aceita, ainda que isso comprometa o desenvolvimento industrial e tecnológico brasileiro.



No entanto, diplomatas uruguaios acreditam que se Aécio Neves ganhar, o Brasil irá procurar alternativas ao Mercosul e haverá filas de países querendo firmar acordos de livre comércio com Brasília.



Isso forçará a que países como o Uruguai encontrem uma forma de abrir espaços. Por exemplo, a União Europeia firmaria um acordo com o Brasil se isso for possível, mas não teria no Uruguai uma prioridade. O Uruguai poderia, então, ser levado pela mão, pelo Brasil, para acessar um acordo com a UE.



A avaliação no Uruguai é que independentemente do resultado das eleições no Brasil, o país irá rever sua política externa especialmente em relação às questões comerciais. E isso pode ser muito positivo para a região.


Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...