Relações Exteriores

Sensoriamento Remoto
01/04/2005
Capacitação
01/04/2005

América do Sul

Uruguai não dá apoio ao Brasil para o Conselho de Segurança

A visita do presidente uruguaio Tabaré Vazquez ao Brasil, foi curta, mas plena de simbolismos. Ele não recuou em relação à candidatura do uruguaio Perez del Castillo, que pretende disputar o cargo de diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, com o embaixador brasileiro, Luiz Felipe de Seixas Corrêa.

Além disso, afirmou que o seu país vai analisar com carinho a pretensão brasileira por um assento no Conselho de Segurança da ONU.
Segundo Tabaré Vazquez, “se houver uma reforma e o Conselho for ampliado, analisaremos com carinho a pretensão brasileira”.

Ele afirmou que respeita a decisão do Brasil de trabalhar pela reforma das Nações Unidas e pleitear um lugar cativo no Conselho de Segurança.

“Conhecemos as legítimas aspirações históricas do Brasil para integrar o Conselho de Segurança da ONU. Somos comprometidos como país, uma vez que se resolva no seio da organização o aumento do número de integrantes desse conselho, a estudar, levando em conta as legítimas aspirações que o Brasil tem. O Uruguai observa com atenção e observa com respeito e carinho”, disse em discurso no Palácio do Planalto.

Apesar de não ter conseguido êxito nestes dois objetivos políticos, o Brasil considera muito positiva a visita, apesar de curtíssima, do presidente uruguaio. O Brasil acabou sendo o primeiro destino do presidente Vazquez, 30 dias após sua posse.

Também ficou claro que o Uruguai tem compromisso com a integração da América do Sul. De acordo com o presidente uruguaio, “não queremos ser somente sócios do Mercosul, mas também protagonistas desse projeto e processo de integração regional”. Na sua opinião, o Mercosul é o melhor caminho para a inserção dos países sul-americanas no mundo.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva garantiu que vai transformar cada palavra sua, em gestos concretos. Ele apoiou o ingresso do Uruguai no G-20, grupo de países em desenvolvimento. Para Lula, essa é mais uma forma do Mercosul negociar em conjunto nos fóruns multilaterais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *