Brasília, 07 de abril de 2020 - 10h32
Uruguai reforça presença das Forças Armadas na fronteira com o Brasil

Uruguai reforça presença das Forças Armadas na fronteira com o Brasil

17 de março de 2020 - 13:51:24
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – O Ministério da Defesa do Uruguai iniciou nesta terça-feira, 17, as ações de reforço das Forças Armadas do país em toda a sua fronteira terrestre. Cerca de 1.200 soldados participam da Operação Fronteira Segura, aprovada em 2018 e sob a coordenação do Estado Maior da Defesa.

A mobilização teve início nesta segunda-feira, 16, e foi precedida por várias semanas de cursos para os militares e pessoal das aduanas, ministério público e autoridades sanitárias que atuam nos chamados “passos de fronteira”. Os militares uruguaios também se coordenaram com seus pares argentinos e brasileiros, antecipando o que seria a operação.

A presença militar será permanente, as 24 horas do dia e com ações específicas em pontos considerados estratégicos. Para tanto, produtores rurais cederam parte das fazendas e galpões. O ministro da Defesa, Javier García, participou da inauguração da operação no Forte São Miguel, no Departamento de Rocha.

“Hoje, estamos cumprindo com a lei e com os uruguaios. Esta lei tem quase um ano e meio e não havia sido colocada em vigor. Tudo isso tem como objetivo ajudar a paz dos uruguaios. Esta é uma zona muito sensível, as Forças Armadas agora tomam a jurisdição”, explicou.

García destacou que a missão tem um orçamento próprio e não guarda relação com o fechamento das fronteiras com a Argentina e o Brasil, por conta do coronavirus. Ele disse ainda que o governo reconhece a necessidade de melhorar a estrutura das Forças Armadas para tornar mais efetiva a operação, mas assinalou que os drones, por exemplo, custam milhares de dólares. “Não podemos esperar uma vez que, por essas rotas passam todo tipo de coisa”, disse.

O Exército empregará radares para o controle do tráfico de carros e a Marinha irá ceder alguns drones para ampliar a fiscalização. Os militares também poderão efetuar prisões e reter veículos. Já a Força Aérea utilizará aeronaves A-37B Dragonfly, em missões de reconhecimento, patrulhamento e vigilância. Outros aviões realizarão observações diretas. O foco, neste momento, são os departamentos de Salto, Artigas e Rivera.