Mundo

Diplomacia
12/09/2016
Fronteira
12/09/2016

Geopolítica

Venezuela presidirá o Movimento dos Países Não Alinhados

Brasília – Entre 13 e 18 de setembro, será realizada em Nueva Esparta, Ilha Margarita, na Venezuela, a 17ª Cúpula do Movimento dos Países Não Alinhados (MNOAL), quando Nicolás Maduro receberá do Irã, a presidência pro tempore do mecanismo pelos próximos três anos. O MNOAL é integrado por 120 países, mais de 60% dos total dos membros das Nações Unidas, e onde o Brasil atua apenas como observador.

Na agenda do evento constam temas como a aliança entre os blocos de integração regional da América Latina e África, a retomada dos temas ligados às crises no Oriente Médio, especificamente as políticas de Israel para a Palestina, as crisis dos refugiados e a guerra na Síria.

No âmbito regional, o tema mais forte irá girar em torno da destituição da ex-presidente Dilma Rousseff no Brasil, e o “intervencionismo dos Estados Unidos nos países latino-americanos”.

Além disso, o Movimento dos Países Não Alinhados pretende impulsionar as discussões em torno da reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Durante a presidência iraniana (2009 – 2012), o tema principal, negociado multilateralmente, foi a proibição aos ataques contra instalações dedicadas ao uso pacífico de energia nuclear.

A Venezuela será o terceiro país latino-americano em presidir a MNOAL, depois de Cuba e Colômbia. Atualmente, o país integra como membro não permanente, o Conselho de Segurança da ONU e preside a União das Nações Sul-Americanas. Deveria estar à frente do MERCOSUL, mas sua presidência não é reconhecida por Argentina, Brasil e Paraguai.

O Movimento dos Países Não Alinhados surgiu durante a Guerra Fria, com o objetivo de manter uma posição neutra em relação às superpotências da época, Estados Unidos e União Soviética. A MNOAL nasce formalmente em 1961, em Belgrado, mas a política de não alinhamento ganha corpo em 1955 na Conferência Afroasiática de Bandung, Indonésia, prestigiada por 29 líderes da geração pós-colonial, que estabeleceram os dez princípios adotados pelo movimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *