Brasília, 10 de dezembro de 2018 - 08h02

Vice-presidente da Colômbia renuncia à embaixada n

25 de fevereiro de 2014
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - O presidente colombiano Juan Manuel Santos aceitou nesta terça-feira, 25, a renúncia do atual vice-presidente Angelino Garzón para chefiar a embaixada do país no Brasil. Garzón alegou razões pessoais e familiares para declinar da indicação.



"Tomei a decisão de não aceitar o cargo de Embaixador da Colômbia no Brasil a fim de deixá-lo, como sempre fiz, com total liberdade de nomear outra pessoa que no atual momento possa ocupar este cargo", explicou Garzón ao presidente Santos.



Ele permanece como vice-presidente até 7 de agosto. "Continuarei trabalhando pelo fortalecimento das relações de amizade e cooperação entre o Brasil e a Colômbia porque as mesmas beneficiam de maneira recíproca a ambos os países", afirmou.



Nesta semana, Juan Manuel Santos escolheu Germán Vargas Lleras para compor sua chapa à reeleição nas eleições de 25 de maio. A posse do presidente eleito será em 8 de agosto.



Esta não foi a primeira vez que um indicado para comandar a embaixada colombiana em Brasília renúncia à indicação. Em novembro de 2013, a embaixadora Alícia Arango então chefe da missão diplomática colombiana na Suíça, já nomeada para o Brasil, decidiu abandonar o posto para acompanhar a campanha de Óscar Iván Zuluaga à presidência da República.



A então embaixadora da Colômbia no Brasil, Maria Elvira Pombo foi transferida para o Peru e a embaixada colombiana está sem chefe de missão desde 1º de outubro do ano passado. De acordo com a chanceler colombiana María Ángela Holguín, Alícia Arango será a embaixadora em Brasília.



Especialistas colombianos acreditam que os gestos de descortesias do país terão um preço por parte do Brasil.



Análise da Notícia



Marcelo Rech



O desinteresse dos colombianos em vir para o Brasil onde está, segundo muitos analistas daquele país, a diplomacia mais profissional da América Latina não é algo isolado.



Embora ninguém o admita publicamente, o Brasil está perdendo muitos dos espaços conquistados nos últimos 20 anos. Há muitas reclamações sobre a postura do país em relação à região e aos principais temas da agenda internacional.



O Brasil já não é o mesmo e o seu engajamento e liderança praticamente inexistem.
A postura do Brasil em relação à crise na Venezuela de silêncio quase ensurdecedor é vergonhosa.



O Mercosul que não anda e a UNASUL que vai completar um ano sem um Secretário-Geral, são sintomas de uma diplomacia tolhida.



O Brasil, gostem ou não, queiram ou não, aceitem ou não, é o gigante regional, aquele país que os demais esperam tomar uma decisão para seguir: se o Brasil decidiu assim é porque deve ser o certo. Essa sempre foi a tônica nas últimas duas décadas.



Não tem sido mais. O caso colombiano é emblemático. Prestes a completar dois anos, o processo de paz levado a cabo em Havana ignora o papel do Brasil, país que durante muitos anos se esquivou de condenar as atrocidades terroristas das Farc justamente para manter a possibilidade de mediar uma solução para o conflito.



Foi escanteado tanto pelo governo como pela guerrilha.



O Peru fechou a compra de aviões militares com a Coreia do Sul em grande medida por conta da arrogância da Embraer e do Itamaraty, segundo fontes peruanas.



A Bolívia que tomou uma refinaria brasileira com o seu Exército, ignorou tratados e tradições e submeteu um senador opositor a mais de um ano de confinamento numa sala de 20 m2, obrigando um diplomata brasileiro a uma aventura para tirá-lo de lá. Tudo por capricho do presidente boliviano, o que custou o cargo do então chanceler Antonio Patriota.



Estes são apenas alguns exemplos de como a nossa imagem está arranhada na região. Quando alguém prefere ignorar um posto no Brasil é porque a coisa está mesmo ruim.

Assuntos estratégicos

Brasil defende aprovação de lei que congela bens de terroristas

Brasil defende aprovação de lei que congela bens de terroristas

Brasília – O futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, defendeu nesta...
Paraguai intensifica combate a grupos criminosos do Brasil

Paraguai intensifica combate a grupos criminosos do Brasil

Brasília - O governo do Paraguai intensificou o combate das ramificações das...
Radares aéreos são instalados para combater tráfico de droga e armas

Radares aéreos são instalados para combater tráfico de droga e armas

Brasília - O Brasil vai instalar três radares aéreos para o controle de voos de...
Governo brasileiro oficializa extinção da binacional espacial criada com Ucrânia

Governo brasileiro oficializa extinção da binacional espacial criada com Ucrânia

Brasília - O governo brasileiro encaminhou ao Congresso Nacional a Medida Provisória...
ABIN defende constitucionalização da Inteligência e alerta para ameaças

ABIN defende constitucionalização da Inteligência e alerta para ameaças

Brasília – O Diretor-Geral da Agência Brasileira de Inteligência,...
Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...