Defesa

MD estuda criar Polo de Defesa em Goiás
18/10/2017
I Seminário de Segurança e Defesa Cibernética será realizado em novembro no Rio
18/10/2017

Brasil e Grécia iniciam discussões para acordo bilateral

Brasília – Os ministros da Defesa do Brasil, Raul Jungmann, e da Grécia, Panos Kammenos, reuniram-se na terça-feira, 10, em Brasília, para discutir possibilidades de parcerias estratégicas na área da defesa. Na abertura do encontro, Jungmann abordou os desafios da atual conjuntura do país e o bom relacionamento com os vizinhos na América do Sul.

“A reunião superou as expectativas e nós vamos, em breve, fazer um acordo de cooperação que vai abranger a defesa cibernética, exercícios militares, ações e operações conjuntas, o combate ao terrorismo e, em especial, o diálogo da nossa indústria de defesa”, afirmou o ministro brasileiro.

Segundo ele, o acordo permitirá que a Grécia apoie o Brasil como plataforma para produção e exportações de produtos de defesa para a Europa e, em reciprocidade, que a Grécia também aproveite o Brasil como base para o comércio na América do Sul.

Panos Kammenos assinalou a importância estratégica da Grécia na região e do interesse em estreitar os laços de cooperação com o Brasil. “Estamos muito felizes com a parceria. Podemos estar distantes, mas nos sentimos muito próximos ao Brasil. Compartilhamos os mesmos valores. Acredito que a Grécia pode ser uma entrada do Brasil para o mercado com a União Europeia e com o Oriente Médio. Podemos prover instalações, aeroportos militares, infraestrutura para criar um centro de serviço para a EMBRAER e de treinamentos para as Forças Armadas”, destacou.

Ele também se mostrou confiante na concretização da parceria: “Acredito que com a colaboração do Ministério da Defesa e das Forças Armadas Brasileiras muito em breve estaremos prontos para assinar o acordo”. A Grécia foi o primeiro país a adquirir um avião da EMBRAER para o transporte de autoridades, e também o primeiro a operar o Legacy na Europa.

O Brasil apresenta superávit em seu comércio com a Grécia — em 2015, foram US$ 117 milhões de exportações brasileiras e US$ 48 milhões de importações de produtos gregos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *