Relações Exteriores

Senado irá acompanhar isenção tributária oferecida pelo Paraguai
22/02/2018
A ciberforça norte-coreana pronta para atacar
26/02/2018

Brasil irá compartilhar infraestruturas de pesquisas no BRICS

Brasília – O Brasil deverá compartilhar cinco grandes infraestruturas globais de pesquisa com os países membros do BRIVS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). O anúncio será feito no início de março, em Campinas (SP). A proposta é que o Brasil receba pesquisadores para a troca de experiências em temas como a fonte de luz sincrotron Sirius, o Laboratório de Integração e Testes do Inpe (LIT), o Navio de Pesquisa Hidroceanográfico Vital de Oliveira, o Observatório de Torre Alta da Amazônia e o supercomputador, Santos Dumont.

De acordo com o Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTIC, Álvaro Prata, “cada vez mais o Brasil tem sido solicitado para, junto com nossos parceiros de diferentes grupos e organizações, disponibilizar suas grandes infraestruturas de pesquisa. Nós devemos ter uma atuação estratégica em relação a isso”, defendeu.

Nesta direção, realizou-se recentemente, reunião que incluiu o mapeamento das principais infraestruturas de pesquisa existentes no país e as mais utilizadas por pesquisadores e instituições brasileiras. Esses locais poderão, futuramente, ser compartilhados com outros países. O encontro contou com a participação do chefe da Delegação da União Europeia (UE) no Brasil, embaixador João Gomes Cravinho.

Ele discorreu sobre as experiências do bloco europeu no compartilhamento de infraestruturas de pesquisa e revelou que cada um dos 28 estados-membros conta com estruturas próprias, mas que há intensa coordenação do trabalho conjunto. “Isso nos permite trabalhar de forma harmonizada, para superar desafios. Não sabemos bem a distinção entre nacional e internacional em ciência e tecnologia. Nossos cientistas já pensam instintivamente como União Europeia”.

Segundo ele, o trabalho coordenado da União Europeia se baseia em três conceitos: a abertura a publicações científicas; o estímulo ao desenvolvimento de conhecimento e pesquisa em inovação e a abertura para o mundo, por meio da contribuição com outros países, como por exemplo, o projeto desenvolvido com o Brasil para a construção do cabo de fibra óptica que vai ligará o país à Europa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *