Defesa

Brasil e UE discutem desafios globais para a gestão da água
19/03/2018
Brasil está pronto para atuar na República Centro-Africana
19/03/2018

Brasil renova contingente na Força-Tarefa Marítima no Líbano

Brasília – Na quarta-feira, 7, um grupo com 213 militares da Marinha do Brasil desembarcaram em Beirute, no Líbano, para integrar a Força-Tarefa Marítima da UNIFIL, missão de paz das Nações Unidas naquele país. Eles atracaram à bordo da Fragata Independência, com a qual partiram do Rio de Janeiro em 28 de janeiro.

O Brasil comanda a Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano desde 2011, e a cada seis meses há um revezamento com a troca da equipe e também o navio utilizado. A Fragata Independência substitui a Corveta Barroso.

De acordo com o Comando da Marinha, o Brasil lidera as operações marítimas de uma missão da ONU no Líbano, que tem como objetivo impedir a entrada, em território libanês, de armas ilegais e contrabandos, por meio de patrulhas navais em águas jurisdicionais libanesas.

Além disso, os militares brasileiros também prestam apoio para a formação e o adestramento da Marinha libanesa, por meio de treinamento do seu pessoal. O objetivo principal é dotá-los de todas as capacidades necessárias para que exerçam o controle de suas águas territoriais.

Atualmente, a missão brasileira no Líbano conta com 183 militares. A Marinha informou ainda que a diferença do número de pessoas enviadas – 30 a mais na atual – se deve às especificidades dos navios. Apesar de serem de classes diferentes, ambos possuem as mesmas capacidades, ou seja, cumprem com todas as atribuições de navio-capitânia (chefe).

Além disso, a Marinha informou que a troca dos navios se dá por conta das necessidades de manutenção das embarcações, e no caso da equipe, para revezamento da tripulação. Com a tripulação do navio também embarcam fuzileiros navais, mergulhadores de combate, entre outros profissionais que desenvolvem atividades necessárias para a atuação no Líbano.

O grupo que acaba de chegar ao Líbano recebeu preparação específica, voltada para tripulações dos navios designados a compor a Força-Tarefa que inclui todas as instruções exigidas pelas Nações Unidas. Os militares permanecem no navio durante toda a missão – nesse caso, até setembro.

Os militares brasileiros ressaltam ainda que os libaneses recebem de maneira extremamente positiva a presença do Brasil na Missão, uma vez que integram uma força de paz que contribui para a segurança na região. A Marinha afirma que a liderança exercida pelo país se deve à longa tradição de participação em missões de paz, tais como no Canal de Suez, Angola, Timor-Leste e Haiti.

A Marinha contribui desde 2011 para o trabalho desenvolvido no Líbano, atuando sempre no comando da Força-Tarefa Marítima da missão de paz. A Fragata Independência também transportou nesta viagem 44 mil frascos de insulina doados pelo Brasil para a Organização Mundial da Saúde. O material será utilizado para atendimento a refugiados sírios no Líbano.

ONU

No dia 26 de fevereiro, durante estadia no Porto de Beirute, no Líbano, a Corveta “Barroso” recebeu a visita do Subsecretário-Geral das Nações Unidas para as Operações de Paz, Jean-Pierre Lacroix. A comitiva da ONU foi recebida a bordo pelo Comandante da Força-Tarefa Marítima da UNIFIL, Contra-Almirante Sergio Fernando de Amaral Chaves Junior, que apresentou importantes aspectos concernentes à missão de paz desenvolvida no Líbano, em especial as atividades realizadas na área marítima de operações.

A FTM-UNIFIL foi criada em 15 de outubro de 2006, em atendimento à Resolução 1701 do Conselho de Segurança da ONU, por solicitação do governo libanês, tendo a peculiaridade de ser a única Força Naval componente de missão de paz no âmbito da organização.

A Corveta “Barroso” integrava a UNIFIL desde 15 setembro de 2017, servindo como navio capitânia da FTM. Nessa missão de paz o navio é empregado em patrulhas na costa libanesa, juntamente com outros cinco navios das marinhas da Alemanha, Bangladesh, Grécia, Indonésia e Turquia.

Já no dia 28 de fevereiro, foi realizada a cerimônia de passagem do cargo de Comandante da Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-UNIFIL), no porto de Beirute, no Líbano. Na ocasião, o Contra-Almirante Sérgio Fernando de Amaral Chaves Junior passou o Comando para o Contra-Almirante Eduardo Machado Vazquez.

O Comandante de Operações Navais, Almirante Paulo Cezar de Quadros Küster, participou do evento, que fez parte da agenda de compromissos durante a sua passagem pelo país. A cerimônia foi presidida pelo Force Commander da UNIFIL, General do Exército Irlandês, Michael Beary, e contou com a presença do Embaixador do Brasil no Líbano, Jorge Geraldo Kadri; do Comandante da Marinha do Líbano, Almirante Housni Daher; e do Vice-Chefe de Operações Conjuntas do ministério da Defesa, Almirante Luís Antônio Rodrigues Hecht.

No dia anterior (27), o Almirante Küster visitou o atual Navio-Capitânia da FTM-UNIFIL, a Corveta “Barroso”. Durante os seis meses à frente da Operação “Líbano XII”, a Corveta “Barroso” contribuiu, dentre outros aspectos, para evitar a entrada armamento não autorizado pelo governo libanês pelo mar, por meio de Operações de Interdição Marítima.

No dia 5 de março, durante sua estadia no Porto de Beirute, a Corveta “Barroso” recebeu a visita do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira Filho, acompanhado do Embaixador do Brasil em Beirute, Jorge Geraldo Kadri.

Na oportunidade, o Deputy Head of Mission, Imran Riza, que também estava presente na visita, destacou a relevante contribuição que o Brasil vem prestando ao Líbano e às Nações Unidas, ao longo dos últimos sete anos, período em que a FTM-UNIFIL está sob o comando de um almirante brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *