Opinião

Aviação militar
07/03/2005
Realidade
08/03/2005

Bolívia

Crise boliviana ameaça integração sul-americana

O Congresso boliviano deve analisar entre esta terça e quarta-feira, o pedido de renúncia apresentando pelo presidente boliviano, Carlos Mesa. Insatisfeito com a insatisfação popular, Mesa estaria armando uma jogada estratégica para se manter no poder com o aval político que pouquíssimas vezes conseguiu ter.

O Brasil, que desde 2003, não larga a Bolívia por nada, teme que haja uma radicalização do processo político com desrespeito às normas democráticas. Isso acabaria por gerar uma instabilidade capaz de comprometer os esforços por integração na América do Sul.

Essa integração vem sendo impulsionada pelo desejo do Brasil em manter a região numa situação de relativa tranqüilidade. Como afirma o assessor internacional da Presidência, Marco Aurélio Garcia, essas crises são prejudiciais para toda a região.

No entanto, a Bolívia é uma país que já enfrentou uma sucessão de golpes que chega a 190, desde a sua independência, em 1825. Os movimentos sociais também querem o retorno do ex-presidente Sanchez Lozada para julgá-lo por crimes contra a nação. O Brasil teve participação efetiva quando Lozada renunciou para exilar-se comodamente em Miami.

Outra preocupação do Brasil diz respeito à nova lei de hidrocarbonetos. A Petrobrás é a maior empresa da Bolívia. Marco Aurélio Garcia já esteve no país para discutir os aspectos da lei e tentar evitar que a empresa sofresse prejuízos com ela. O grande argumento é que a Petrobrás responde por 15% do PIB boliviano e 25% de sua arrecadação.

Nos últimos dez anos, a empresa investiu cerca de U$S 1,5 bilhão na Bolívia. A empresa participa da exploração e comercialização do gás natural, atividades de refino, distribuição de combustíveis e mantém uma fábrica de lubrificantes.

O líder Evo Morales garante que não deseja a renúncia de Mesa, que tem mandato até 2007. O que ele e os oposicionistas desejam é a criação de uma assembléia constituinte para discutir novas regras para a comercialização do gás natural da Bolívia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *