Defesa

Paraguai quer acordo MERCOSUL – UE finalizado em março
03/03/2018
A importância da gestão internacional de crises
03/03/2018

Força Aérea se prepara para receber KC-390

Brasília – A Força Aérea Brasileira (FAB) se prepara para receber em seus hangares o KC-390, maior avião militar fabricado no país. De acordo com a FAB, a nova aeronave multimissão de transporte está 97% desenvolvida e, neste primeiro semestre, encerra a fase de testes em voo e certificação. As duas primeiras unidades estão confirmadas para serem entregues à Ala 2, em Anápolis (GO). No total, serão adquiridas 28 aeronaves que irão compor a frota da aviação de transporte da FAB.

Na avaliação do Comando da Aeronáutica, a maior aeronave militar desenvolvida e fabricada no Brasil não tem deixado a desejar e tem cumprido com êxito uma intensa campanha de testes que validam a sua capacidade em diversos cenários. Fabricado pela Embraer Defesa & Segurança, dois protótipos do KC-390 já somam aproximadamente 1.500 horas de voo e mais de 40.000 horas de testes em laboratório dos diversos sistemas da aeronave, garantindo uma alta disponibilidade nos testes de certificação, etapa essencial para dar continuidade à linha de montagem.

Em dezembro do ano passado, foi atingida a capacidade inicial de operação (Initial Operational Capability – IOC), fase fundamental para dar início à operacionalidade do avião militar e que está em conformidade com o escopo da FAB. Além disso, a fabricante também obteve um certificado de tipo provisório do KC-390 junto à Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), atestando a adequação do projeto aos requisitos de certificação de aeronaves da categoria Transporte.

O KC-390 já realizou testes no gelo artificial, nos Estados Unidos e ainda nos primeiros meses de 2018, serão realizadas operações em ambiente com gelo e neve. O avião ainda precisa atender aos requisitos da FAB de operar na Antártida, que reúne condições climáticas adversas e submete a aeronave a situações extremas de operação. No calor, o jato também foi aprovado: o avião esteve nos Emirados Árabes e na Arábia Saudita, quando operou em temperaturas ambiente de 45 graus e 49 graus Celsius respectivamente, informou o Comando da Aeronáutica.

A FAB explicou que a conclusão do processo de certificação será realizado em duas etapas: uma delas estabelece a homologação do KC-390 no âmbito da aviação civil, que já foi conquistado na IOC. A certificação final da ANAC e o atingimento da IOC contemplam itens básicos da missão militar como características fundamentais para o voo, atestando segurança, qualidade de voo, possibilidade de reabastecimento em voo, transporte de cargas e lançamento. A outra etapa prevê a integração de todos os sistemas da missão militar, que se inicia a partir da entrega do KC-390 para a Força Aérea este ano.

O gerente do Programa na Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Coronel Samir Mustafá, explica que os terceiro e quarto protótipos já fazem parte da linha de montagem do KC-390 e serão entregues à Força Aérea em junho.

Com capacidade de transportar até 26 toneladas, numa velocidade máxima de 870 km/h, o jato redefine o modelo de operação de uma aeronave de transporte em ambientes diversos, pistas não preparadas e com uma autonomia invejável.

Outro diferencial do jato foram as parcerias estratégicas firmadas. Acordos bilaterais garantiram o desenvolvimento do KC-390 com a colaboração de países como Portugal, República Tcheca e Argentina, que avançaram nas negociações desde o início e contribuíram no intercâmbio de tecnologias.

O KC-390 também tem um mercado em potencial que foi estudado e explorado pela indústria aeronáutica brasileira. A cota de mercado (market share) estimada é de aproximadamente 300 aeronaves exportadas nos próximos 20 anos, o que pode representar uma injeção de até U$ 20 bilhões de dólares na economia.

Além disso, como se trata de propriedade intelectual desenvolvida no Brasil, a cada jato vendido, o país terá um retorno financeiro que pode ser novamente enxertado na economia. A expectativa é de que R$ 2,34 bilhões de royalties sejam gerados e R$ 2,40 bilhões em impostos acumulados, estima o Comando da Aeronáutica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *