Comércio Exterior
21/04/2005
América do Sul
21/04/2005

Programa Espacial

Interrompido o registro de imagens do CBERS-2

As imagens geradas a partir do satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres, CBERS-2, foram interrompidas depois que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais [INPE] e a Academia Chinesa de Tecnologia Espacial [CAST], identificaram diversas anomalias no satélite. A Agência Espacial Brasileira não informou que anomalias foram registradas e em quanto tempo serão resolvidas.

Em junho do ano passado, a AEB implantou a Política de Distribuição de Imagens CBERS. Pelo menos 95 mil imagens foram distribuídas gratuitamente para usuários do território nacional. O INPE já é a instituição que mais distribui imagens de satélite no mundo.

O CBERS começou a funcionar em julho de 1988, quando Brasil e China firmaram acordo de cooperação para o desenvolvimento conjunto de dois satélites de observação da Terra. O primeiro satélite, CBERS-1, foi lançado da China em outubro de 1999 e operou com sucesso por quase quatro anos.

Segundo a AEB, a vida útil para esse tipo de satélite era de dois anos. O CBERS-2 foi lançado em outubro de 2003 e vinha operando sem problemas.

Esses satélites são equipados com três câmeras para observação da superfície do planeta, nas regiões do espectro eletromagnético correspondentes ao infravermelho e ao visível. Cada satélite foi equipado com um repetidor para coleta de dados, em apoio à operação do Sistema Brasileiro de Coleta de Dados Ambientais.

No Brasil, as imagens obtidas a partir dos satélites CBERS vão desde mapas de queimadas e desflorestamento da região amazônica, até estudos na área de desenvolvimento urbano nas grandes capitais do país.

A Agência Espacial prevê o lançamento do CBERS-2B, para 2006, com o objetivo de garantir a continuidade do fornecimento das imagens geradas pelo CBERS-2. Brasil e China continuarão desenvolvendo os satélites CBERS-3 e CBERS-4, projetos nos quais o Brasil vai investir cerca de US$ 150 milhões. O lançamento do CBERS-3 está previsto para 2008 e o do CBERS-4, para 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *