Brasil

Mapa e Apex realizam evento para captar investimentos em Israel
16/11/2017
Bancos chineses apresentam oportunidades de financiamento na FIESP
16/11/2017

Ministro afirma que Brasil trabalha para facilitar Acordo MERCOSUL – UE

Brasília – O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que o  Brasil tem atendido as demandas dos europeus para facilitar a assinatura do Acordo de Livre Comércio MERCOSUL – União Europeia. Segundo ele, “da nossa parte, temos todo o interesse de que o acordo ande e seja bom para os dois lados”. Ele também cobrou dos europeus o atendimento de reivindicações apresentadas pelo Brasil. Maggi lembrou que, após a visita que fez ao parlamento Europeu, em janeiro, muitas reivindicações foram contempladas pelo Brasil, como a liberação para a entrada de carne de coelho da Espanha, peras da Bélgica, produtos lácteos e carne suína dos Países Baixos e pescados de Portugal.

Há duas semanas, o ministro tratou do assunto com um grupo de 14 eurodeputados. Apesar de ainda haver impasses e pendências, os representantes europeus asseguraram que a maioria dos deputados tem interesse em fechar um acordo com o MERCOSUL. Uma das discussões em curso está relacionada à aprovação de indicações geográficas em produtos similares produzidos na América do Sul e Europa e que se encontram em consulta pública. As duas partes realizam mais uma rodada de negociações nesta semana em Brasília.

Os eurodeputados pediram ao ministro informações sobre questões fitossanitárias e receberam a garantia de que os produtos brasileiros têm qualidade e que o sistema de fiscalização é robusto. Maggi lembrou que na operação Carne Fraca houve falha de comunicação e, por isso, produtos brasileiros geraram questionamentos, mas acredita que isso esteja superado. “Houve comunicação errada”, explicou, acrescentando que “distorções trouxeram problemas. Mas, muito rapidamente, houve a compreensão de que havia exageros na divulgação”.

Maggi observou que após o episódio da Carne Fraca, países compradores passaram fiscalizar 100% dos containers de carnes exportados e que não foram encontradas inconformidades nos produtos.

Fórum Econômico Mundial em SP

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, esteve em São Paulo na segunda-feira, 6, para a assinar o protocolo de intenção para a realização, no ano que vem na capital paulista, da edição latino-americana do Fórum Econômico Mundial (WEF). Também assinaram o documento o governador do estado Geraldo Alckmin, o prefeito de São Paulo, João Doria, e a diretora do Fórum para a América Latina, Marisol Argueta de Barillas.

O Fórum Econômico Mundial em São Paulo acontecerá nos dias 13, 14 e 15 de março do ano que vem e irá abordar, entre outros assuntos, a chamada “indústria 4.0”, que é a quarta Revolução Industrial, tema também que servirá de base para o encontro de Davos (Suíça).

“Fico muito orgulhoso que o WEF Latin America será sediado no próximo ano em São Paulo. O governo brasileiro está empenhado em receber todos os representantes dos governos da América Latina e também do setor produtivo e acadêmico em nossa cidade”, afirmou Marcos Pereira.

“Não tenho dúvida que será um grande encontro com temas da maior relevância, que são desafios para todos. Como é que serão os governos, as lideranças, e o impacto da governança dos países, dos estados e dos municípios. O que isso interfere na iniciativa privada, no emprego e na atração de investimentos. É uma pauta muito bem elaborada e muito importante”, disse Alckmin.

O protocolo de intenções formaliza as responsabilidades de cada uma das partes envolvidas. Também determina a criação de um grupo de trabalho com representantes dos signatários e de outras instituições relevantes. O objetivo é coordenar, apoiar e programar os preparativos para a realização do evento.

O WEF Latin America, também conhecido como “mini Davos”, volta para o Brasil após sete anos. Na última vez, em 2011, foi sediado no Rio de Janeiro. O encontro em São Paulo servirá como plataforma de exploração para três diferentes percursos:  ‘A Promoção de uma Liderança Responsável e de uma Governabilidade Ágil’, ‘A Garantia de Progresso Econômico para Todos’ e o ‘Potencial Aproveitamento da Quarta Revolução Industrial’.

O programa incluirá mais de 50 sessões pensadas para que os Chefes de Estado possam tratar questões estratégicas. Serão assuntos de importância em níveis nacional e regional que serão debatidos, e com apresentação de possíveis soluções. Além de também fornecer e traçar caminho para mudanças de longo prazo.

O Fórum Econômico Mundial para a América Latina é uma organização internacional sediada em Genebra, criada em 1971 por Klaus Schwab, atual presidente. O Fórum é responsável pela organização de encontros anuais na cidade suíça de Davos, com a participação e colaboração dos principais líderes políticos e empresariais do mundo. A próxima edição será no mês de janeiro.

Fórum Econômico Mundial da América Latina 2017

No início de abril, o ministro Marcos Pereira participou da edição do evento, em Buenos Aires. Um dos principais objetivos era justamente fortalecer e aumentar o comércio entre Brasil e Argentina e com os demais parceiros da América Latina. Em 2017, a edição do WEF reuniu mais de mil empresários, ministros estrangeiros e altos funcionários de organismos internacionais em três dias de evento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *