Defesa

Defesa Nacional
06/04/2005
Soberania Nacional
07/04/2005

Aeronáutica

Tuma certificou-se que a Embraer não possui aviões de patrulha marítima

O senador Romeu Tuma [PFL-SP], vice-presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, admitiu que o seu parecer à compra de 12 aviões C-295 de Transporte e para a revitalização de oito aeronaves P-3 Orion, levou em conta o fato de a Embraer não possuir aviões de patrulha marítima com capacidade de identificação de submarinos.

Segundo ele, essa informação foi transmitida pelo Comando da Aeronáutica. Tuma revelou ainda que dez empresas, entre elas a Embraer, foram convidadas para participarem do processo de seleção. Apenas três delas apresentaram propostas. Ganhou a EADS/Casa, que ofereceu os melhores preços e condições de financiamento.

“A empresa espanhola também se comprometeu com a transferência de tecnologia e o investimento nas empresas brasileiras. Como a gente acredita que a Embraer é filha da Aeronáutica, nós ficamos preocupados com a sua exclusão, mas fomos informados pela Aeronáutica que a empresa não tinha condições de fabricar esse tipo de avião”, esclareceu Tuma.

Segundo o Comando da Aeronáutica, a Embraer levaria mais de dez anos para desenvolver a tecnologia que será aplicada aos aviões que serão revitalizados e aos novos C-295. Hoje, a Embraer tem mais de R$ 900 milhões em encomendas só para a Aeronáutica.

Ele destacou ainda que o Brasil precisa proteger suas plataformas de petróleo e ter garantias para explorar os mais de quatro milhões de metros quadrados de plataforma marítima, que a Marinha chama de “Amazônia Azul”.

Como ex-diretor da Polícia Federal, Romeu Tuma voou muito nos Búfalos que foram reduzidos a três, razão pela qual, convenceu-se do teor estratégico da mensagem.

Tuma espera que os demais programas de modernização das Forças Armadas também sejam acelerados, desde que haja capacidade de endividamento e a garantia de transferência de tecnologia.

“Há países que querem vender um equipamento, mas não admitem transferir tecnologia. Isso nós não devemos aceitar. Eu conversei diretamente com o Comandante Bueno que explicou todos os detalhes a respeito do emprego deste avião”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *