Os apelos dos Estados Unidos para que o Brasil enviasse tropas à Venezuela não surtiram efeito apesar da simpatia demonstrada pelo chanceler Ernesto Araújo. Os militares deixaram claro que não há possibilidades de isso vir a ocorrer. Com isso, dizem não à Guerra por Procuração pretendida por Washington.

Araújo foi afastado das negociações e o vice-presidente Hamilton Mourão entrou no circuito. Ele foi a principal autoridade brasileira na reunião do Grupo de Lima realizada na segunda-feira, 25, em Bogotá. Ele reafirmou a posição do presidente Jair Bolsonaro: ajuda humanitária sim, mas sem intervenção. A soberania venezuelana será preservada.

A posição contraria o que era esperado pela oposição. Principalmente os partidos de esquerda torciam para que Bolsonaro embarcasse na canoa furada de Donald Trump. Não vai rolar! Por outro lado, essa posição do Brasil será questionada na visita que o presidente fará aos Estados Unidos, prevista para março.

Marcelo Rech – 27/02/2019