No dia 22 de maio, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, reúne em Santiago, os Chefes de Estado dos países membros da União das Nações Sul-Americanas (UNASUL), para iniciar as discussões em torno da criação de um novo mecanismo regional, o PROSUL.

A proposta já se encontra em análise pelo Itamaraty. Na avaliação do Chile, não há mais como renovar ou reviver a UNASUL que se encontra completamente acéfala e não funciona há pelo menos dois anos. O governo do Equador já pediu a sede de volta e seis dos 12 países membros suspenderam participação (e os respectivos repasses financeiros).

O PROSUL teria uma estrutura reduzida, sem sede, secretaria permanente e pessoal e os trabalhos seriam coordenados exclusivamente pela presidência pro tempore, a ser exercida, anualmente, de forma rotativa, por cada Estado.

Além disso, Estado de Direito e Democracia serão os principais pré-requisitos. A proposta chilena enfatiza a noção de que o novo mecanismo não deve estar preso a ideologias políticas e que tenha como pressuposto essencial a vigência do Estado de Direito e da Democracia em seus países membros.

Marcelo Rech 22/1/2019