No dia 18, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) destacou e elogiou as políticas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e do governo brasileiro no acolhimento a cidadãos que deixam a Venezuela em razão de grave crise humanitária e chegam ao território brasileiro solicitando refúgio.

Durante o lançamento do relatório “Tendências Globais – Deslocamento Forçado em 2019”, do ACNUR, o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), ressaltou os avanços normativos e de inteligência digital de dados para ampliar o atendimento aos nacionais do país vizinho. 

Na oportunidade, o representante adjunto do ACNUR no Brasil, Federico Martinez, afirmou que o Brasil é referência de boas práticas, especialmente em receber a população venezuelana, tendo, por meio do Conare, facilitado a tramitação dos processos de refúgio ao reconhecer a situação de grave e generalizada violação de direitos humanos na Venezuela. O Brasil reconheceu a condição de refugiado a cerca de 38 mil venezuelanos nos últimos seis meses.

O relatório global do ACNUR mostra que 79,5 milhões de pessoas foram deslocadas à força no final de 2019. Isso representa 1% da humanidade, ou 1 em cada 97 pessoas no planeta. Cerca de 11 milhões foram deslocadas apenas no ano passado- fugindo de guerras, violência ou perseguição.

Marcelo Rech -20/06/2020