Na semana passada, os Estados Unidos decidiram apertar o cerco contra o regime de Nicolás Maduro e impuseram uma recompensa de US$ 15 milhões por sua cabeça. Esta semana, aumentaram a presença militar na costa do país e lançaram uma proposta que visa retirar o país do impasse com Juan Guaidó e Nicolás Maduro, deixando o poder.

A ideia é asfixiar o regime, impedindo que a Venezuela mantenha negócios ilícitos, incluindo o contrabando de ouro, e que receba seja lá o que for, do exterior. As três medidas, associadas, pretendem quebrar a lealdade dos militares com Maduro e abrir caminho para que um Conselho de Estado inicie o processo de transição que culminará com eleições gerais.

A proposta norte-americana é endossada pelos países do Grupo de Lima. O Brasil entende que não é momento para se pensar em uma intervenção militar, mas aumentar as pressões. Além disso, o país não foi consultado sobre a decisão do Departamento de Defesa norte-americano, de sitiar militarmente a costa venezuelana. No entanto, não vamos nos opor.

Marcelo Rech – 04/04/2020