Entidades empresariais do Brasil e da Europa se uniram na sexta-feira, 30, para reafirmar seu compromisso com a sustentabilidade e defender a implementação do acordo comercial entre o MERCOSUL e a União Europeia.

Durante encontro virtual, a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Business Europe, que representa confederações de empresas do bloco europeu, e a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) divulgaram uma declaração em apoio ao acordo.

As entidades acordaram disciplinas muito avançadas em desenvolvimento sustentável que impulsionam, dos dois lados, a implementação de regras internacionais em meio ambiente, clima e trabalho celebradas no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Os empresários brasileiros destacaram que tanto o Brasil como suas empresas são players historicamente ativos em relação ao desenvolvimento sustentável e construíram uma economia ambientalmente responsável. A ratificação do acordo, na avaliação deles, “reafirmará os compromissos do Brasil com a sustentabilidade e promoverá um quadro regulatório que vai aumentar a competitividade do país para a retomada de mercados”.

O tema ambiental estaria por trás do travamento do processo de retificação do acordo, fechado em 2019 após 20 anos de negociações. Para o Brasil, o protecionismo agrícola europeu teme o agro brasileiro cujo investimento em tecnologia e inovação, tem permitido ao país ganhar mercados pela qualidade e não apenas a quantidade de produtos.

Imagem: Assintecal