O presidente Joe Biden indicou o Embaixador Brian Nichols, ao cargo de Secretário Adjunto para o Hemisfério Ocidental. Sabatinado pela Comissão de Relações Exteriores do Senado norte-americano, ele optou por respostas genéricas sobre temas mais específicos em relação à América Latina. No entanto, as questões relacionadas com Cuba e Venezuela foram os focos principais dos senadores. Sobre o Brasil, apenas perguntas relacionadas com a Amazônia.

Ele também teve de responder sobre a crise migratória que afeta a região.  Para Nichols, o aumento dos fluxos migratórios se deve a fatores como “a mudança climática, a perda de oportunidades econômicas e perda de esperança”. Ele revelou, ainda, que em relação a El Salvador, os EUA podem responsabilizar o presidente Bukele por atos percebidos como antidemocráticos.

Já sobre a Amazônia, o diplomata afirmou ser crucial engajar países-chave da região, começando pelo Brasil (citou ainda Peru, Equador e Bolívia), que integram a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA). Ainda que superficialmente, falou sobre a assistência norte-americana para programas destinados à proteção ambiental e confirmou que a política comercial pode ser usada como pressão, por meio de acordos que venham a incorporar cláusulas ambientais.