Imagem: Governo Federal

A comunicação e conectividade entre Brasil e Europa passa por uma grande transformação com muito mais acesso a serviços bancários online, suporte para a tecnologia 5G, oportunidades de investimentos, compartilhamento de pesquisas científicas de ponta, mais qualidade nos serviços de streaming e melhorias na experiência de jogos online. Esses são alguns avanços previstos com a ativação da fibra ótica de alta capacidade que já interliga os dois continentes desde essa terça-feira, 1º.

No Brasil, o cabo de fibra ótica submarino foi instalado na Praia do Futuro, em Fortaleza (CE), em dezembro do ano passado. Do outro lado do Atlântico, a fibra foi aterrada numa estação em Sines, cidade localizada a 120 km de Lisboa.

Após ser “iluminada”, que é o termo técnico para a ativação da fibra, a previsão é de que a conexão seja expandida para estações no Rio de Janeiro, São Paulo, Guiana Francesa, Argentina e Chile, na América do Sul, além de levar mais cobertura de rede para todos os países da Europa, África e ilhas do Atlântico.

As informações vão trafegar pelos 6,2 mil km do cabo que atravessa o Oceano numa velocidade de 100 Tbps (terabits) e latência (tempo de resposta na transmissão dos dados) de 60 milissegundos. Para se ter uma noção do quão rápida é essa viagem de ida e volta, ela é dezenas de vezes mais veloz do que um piscar de olhos, algo impensável no tempo das caravelas portuguesas que levavam meses para chegar ao Brasil colônia.