Nesta terça-feira, 15, o Brasil formalizou a sua participação do Programa Lunar NASA Artemis que pretende levar a primeira mulher e o próximo homem à superfície lunar em 2024. Paralelamente, o programa desenvolverá as tecnologias necessárias para organizar uma missão humana a Marte. A iniciativa conta com colaboração de parceiros comerciais e internacionais e prevê duas missões antes do pouso na superfície da Lua.

O Brasil é o único país da América Latina e o 12º no mundo a entrar para a seleta lista de parceiros até o momento. O acordo foi assinado por oito países em seu lançamento (Austrália, Canadá, Itália, Japão, Luxemburgo, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e EUA), tendo aderência também de Coreia do Sul, Nova Zelândia e Ucrânia.

O acordo Programa Lunar Nasa Artemis traz um conjunto de princípios, diretrizes e boas práticas para a cooperação internacional na exploração do espaço. Na avaliação do governo brasileiro, a participação do país no programa irá impulsionar o Programa Espacial Brasileiro.

Programa Lunar NASA Artemis

Entre as vantagens, o programa deverá permitir a inclusão de universidades e centros de pesquisa do país, além da formação de recursos humanos e de futuros pesquisadores. O setor também faz parte das Tecnologias Estratégicas definidas como prioritárias pelo MCTI. No lado nacional, também participa do Artemis a Agência Espacial Brasileira (AEB).

A Lua está a 400.000 quilômetros de distância da Terra, enquanto Marte está distante 225 milhões de quilômetros do nosso planeta; Sem dúvida, organizar missões para ambos requer uma visão ousada, gerenciamento de programa eficaz, financiamento para o desenvolvimento de sistemas modernos e operações de missão e apoio de todos os parceiros ao redor do globo.