Brasil e China pretendem fortalecer a cooperação bilateral em ciência e tecnologia, principalmente nas áreas de saúde, inteligência artificial, cidades inteligentes e intercâmbio de pesquisadores. Esses foram os principais pontos tratados na última quinta-feira, 17, pelos respectivos ministros de Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, e Wang Zhigang.

Em razão da pandemia da Covid-19, o ministro brasileiro reforçou o interesse imediato do país em intensificar o trabalho conjunto na área de saúde, no desenvolvimento de novas vacinas, testes clínicos e sequenciamento genético.

Além disso, o Brasil quer ampliar a cooperação nas áreas de inteligência artificial, cidades inteligentes, setor espacial e intercâmbio de cientistas e pesquisadores. Novas cooperações também poderão ser estabelecidas em temas como produção de alimentos, acesso à água, mudanças climáticas, energias renováveis e geração de empregos que serão afetadas pelo avanço tecnológico.

Durante a reunião, também ficou acertado que os dois ministérios vão discutir sobre a realização da reunião da subcomissão de Ciência, Tecnologia e Inovação da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN), prevista para ocorrer em setembro deste ano.