O Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia autorizou, na quarta-feira, 28, a retomada das importações de tabaco do Brasil que estavam vetadas desde 19 de julho, sob a alegação de que houve a identificação, no ano passado, de 33 casos da mosca Megaselia scalaris em tabaco do Brasil e de países como a Índia, África do Sul, Tanzânia, EUA, Malawi e Bélgica. O inseto é considerado uma praga quarentenária na Rússia e nos demais países da União Econômica Eurasiática (UEE).

O Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) recebeu com satisfação a informação de que o organismo russo considerou possível retomar o embarque de tabaco não manufaturado e desperdícios de tabaco brasileiro para a Rússia. A decisão russa teria sido tomada com base nas garantias da Organização Nacional de Proteção Fitossanitária (ONPF) do Brasil e é resultado direto das negociações com representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, ocorridas em 23 de julho.

Em 2020 a Rússia importou cerca de 22 mil toneladas, gerando divisas de US$ 54 milhões. Até junho de 2021, os russos embarcaram US$ 22 milhões e 12 mil toneladas.