Na sexta-feira, 30, o presidente Jair Bolsonaro recebeu o colega Jorge Carlos Fonseca, presidente de Cabo Verde, classificado pelo mandatário brasileiro como “a porta de entrada do Brasil na África Ocidental”. Em julho, os dois países celebraram os 46 anos de relações bilaterais.

Bolsonaro e Fonseca conversaram, entre outros temas, sobre a importância de fortalecer e ampliar a já forte cooperação na área educacional. Cabo Verde é um dos maiores parceiros do Brasil em projetos de cooperação técnica, sendo, atualmente, o principal beneficiado pelo Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G), para o qual, desde 2000, foram selecionados 3.225 estudantes do país. Em 2021, foram selecionados 14.

O Ministério das Relações Exteriores informou que, no programa correspondente à pós-graduação (PEC-PG), Cabo Verde ocupa o segundo lugar entre os países do continente africano com maior número de estudantes, atrás apenas de Moçambique, outro país de Língua Portuguesa. Desde o ano 2000, foram selecionados 163 estudantes cabo-verdianos para o PEC-PG.

Em outubro do ano passado, foi promulgado um acordo de cooperação na área de defesa, que inclui assuntos relacionados, por exemplo, à pesquisa e desenvolvimento, à política de defesa, e sistemas e equipamentos no campo da defesa.

Bolsonaro também agradeceu o apoio de Cabo Verde nas eleições para organismos internacionais como a recente cadeira não permanente para o Conselho de Segurança da ONU, para o biênio 2022 – 2023. Nesta votação, o Brasil conquistou 182 votos de 190 possíveis.

Em relação ao comércio, no ano passado, o Brasil exportou US$ 25 milhões para Cabo Verde, com aumento de 0,34% em relação a 2019. As importações somaram US$ 21 mil, aumento de 137% em relação a 2019. Neste ano, entre janeiro e junho as exportações alcançaram e as importações US$ 19 mil.