Na quarta-feira, 18, o secretário-adjunto do Ministério de Minas e Energia, Bruno Eustáquio, apresentou, em Washington, as oportunidades de investimentos nos setores de petróleo, gás natural, energia e mineração no Brasil, a lideranças empresariais norte-americanas.

O encontro contou com a participação do Embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Foster Júnior, e de representantes de grandes empresas mundiais como Total, BHP, AES, Embraer, Boeing, Westinghouse, entre outras companhias.

Também foram apresentados aos investidores os programas do MME, assim como as iniciativas de Modernização do Setor Elétrico, que abrem o mercado para o consumidor livre. O destaque ficou para a Conta Covid, com R$ 15,3 bilhões, voltada para a preservação da saúde do setor elétrico, sobretudo no que se refere à distribuição.

No campo do petróleo e gás natural, Eustáquio falou sobre os programas Abastece Brasil, o Programa de Revitalização da Atividade de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural em Áreas Terrestres (Reate) e o Programa de Revitalização e Incentivo à Produção de Campos Marítimos (Promar). E, no viés da transição energética, abordou o Renovabio, o programa Combustível do Futuro e o Programa Nacional de Hidrogênio.

A capitalização da Eletrobras, assim como os leilões de geração e de transmissão de energia realizados pelo governo, também foram mencionados. O setor de mineração também foi lembrado durante a apresentação aos investidores norte-americanos. Os destaques ficaram para o caulim, com US$ 404 milhões em investimentos, e as mais de 35 mil áreas que serão ofertadas a partir dos editais que serão publicados ainda em agosto.

Outro destaque foi o tema da renovabilidade da matriz energética e elétrica brasileira e o avanço das fontes solar e eólica, nos próximos dez anos, cuja perspectiva de crescimento chega a 50 gigawatts nesse período.

Imagem: Fonte MME / foto Saulo de Vargas