Brasil se mantém fiel ao princípio de “uma só China” em meio às tensões na Ásia

por | ago 10, 2022 | 10h

Desde o estabelecimento das relações diplomáticas com Pequim, em 1974, o Brasil mantém sua adesão ao princípio de “uma só China”, reconhecendo Taiwan ou o Taipé Chinês, como parte do território chinês

O governo brasileiro acompanha com preocupação os desdobramentos das tensões entre China, EUA e Taiwan, no Sudeste da Ásia. Desde a semana passada, com a visita à ilha, da presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, exercícios militares têm sido realizados no entorno de Taiwan.

“Quaisquer desdobramentos que possam afetar a paz e a segurança internacionais são acompanhados de perto pela diplomacia brasileira”, informou o MRE ao InfoRel. Ainda em resposta ao portal, o Itamaraty destacou que “o Brasil defende que quaisquer contenciosos sejam resolvidos pacificamente por meio de negociações entre as partes, de acordo com o direito internacional e a Carta das Nações Unidas”.

Desde o início das tensões, não houve manifestação pública por parte do governo federal. No dia 4 de agosto, o Ministério das Relações Exteriores tornou pública a decisão da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), em conceder ao Brasil o status de Parceiro de Diálogo setorial. O temor do país é que as tensões gerem mais instabilidade e possam comprometer os avanços comerciais conquistados pelo Brasil na região.

O fluxo de comércio entre o Brasil e a ASEAN teve aumento de 91% entre 2016 e 2021, passando de US$ 15,1 bilhões para US$ 28,9 bilhões. No primeiro semestre deste ano, esse mesmo comércio ascendeu a US$ 16,6 bilhões, montante 21,3% superior ao valor registrado no mesmo período de 2021.

China

“Desde o estabelecimento das relações diplomáticas com Pequim, em 1974, o Brasil mantém sua adesão ao princípio de “uma só China”, reconhecendo o Taipé Chinês como parte do território chinês”, esclareceu o Itamaraty. Esse princípio é observado por 179 dos 193 países membros das Nações Unidas.

Esse contexto impede que Brasil e Taiwan mantenham relacionamento diplomático. No entanto, há uma intensa relação econômico-comercial, de cooperação e acadêmica. No ano passado, por exemplo, a corrente de comércio entre Brasil e Taiwan alcançou US$ 4,076 bilhões.

Entre os principais destinos das exportações brasileiras, a ilha ocupou a 41ª colocação, com US$ 1,36 bilhão (crescimento de 8% em relação a 2020). Considerada a origem das importações, a ilha detém a 17ª posição, com US$ 2,7 bilhões, resultando em déficit para o Brasil de US$ 1,34 bilhão. De janeiro a abril de 2022, o intercâmbio comercial atingiu US$ 1,43 bilhão (crescimento de 19,1% frente ao mesmo período de 2021). As exportações brasileiras para Taiwan envolvem majoritariamente produtos básicos: soja (39%), milho não moído (17%), minério de cobre (9,1%), ferro (9,0%) e celulose (8,4%). As importações, por sua vez, correspondem, em sua totalidade, a produtos manufaturados.

Por Marcelo Rech

InfoRel

Imagem: Reuters

Share This